Estou apaixonada - mas será que ele é a pessoa certa?

Sa­muel Rin­dlis­ba­cher

Per­gun­ta: “Te­nho 17 anos, creio em Je­sus e me apai­xo­nei por um ra­paz. Mas co­mo pos­so sa­ber se ele é o ho­mem cer­to pa­ra mim?”

Res­pos­ta: O que vou res­pon­der não va­le ape­nas pa­ra vo­cê ou pa­ra ou­tras ga­ro­tas cris­tãs, mas tam­bém pa­ra ra­pa­zes cren­tes. O amor e a pai­xão são ma­ra­vi­lho­sos, ter um com­pa­nhei­ro ou com­pa­nhei­ra é um pre­sen­te di­vi­no, pois a Bí­blia diz: “Não é bom que o ho­mem es­te­ja só; far-lhe-ei uma au­xi­lia­do­ra que lhe se­ja idô­nea” (Gn 2.18). Mas jus­ta­men­te os jo­vens de­ve­riam con­si­de­rar al­gu­mas coi­sas an­tes de co­me­çar um re­la­cio­na­men­to, uma vez que vi­ve­mos em um tem­po que des­va­lo­ri­za com­ple­ta­men­te os pa­drões di­vi­nos, es­pe­cial­men­te quan­to ao re­la­cio­na­men­to en­tre os se­xos. O amor pla­ne­ja­do por Deus abran­ge o ser hu­ma­no por in­tei­ro: seu cor­po, sua al­ma e seu es­pí­ri­to. O sen­ti­men­to da pai­xão é co­mo uma bor­bo­le­ta: vai de flor em flor mas não pro­duz mel. Amor ver­da­dei­ro, po­rém, é a con­ti­nua­ção da pai­xão. O amor é a pai­xão sen­do pro­va­da e ava­lia­da. Se es­sa pro­va é ven­ci­da, o amor cres­ce­rá con­ti­nua­men­te.

Al­gu­mas di­cas: Por que vo­cê sen­te um frio na bar­ri­ga quan­do es­tá apai­xo­na­da? Só por­que ele a olha de ma­nei­ra es­pe­cial? Por­que ele é bo­ni­to? Ele sa­be fa­lar bem? Ele é sim­ples­men­te sim­pá­ti­co? Is­so não quer di­zer na­da! Ou­tros ra­pa­zes já fa­la­ram coi­sas bo­ni­tas e man­da­ram pre­sen­tes es­pe­ciais an­tes de­le, e vo­cê não se co­mo­veu. Mas, por que ele faz is­so? Ele só quer uma na­mo­ra­da por­que os ou­tros tam­bém têm uma? Ou se­rá que ele a quer por­que vo­cê é vo­cê?

Sen­ti­men­tos são uma coi­sa ma­ra­vi­lho­sa, mas po­de­mos ser fa­cil­men­te en­ga­na­dos por eles! Um dia te­mos sen­ti­men­tos for­tes, no ou­tro eles fo­ram em­bo­ra. Se es­tá bem, vo­cê se sen­te bem. Se não es­tá bem, seu bom hu­mor aca­ba. O amor – amor ver­da­dei­ro, du­ra­dou­ro – só po­de nas­cer e cres­cer on­de há co­nhe­ci­men­to. Vo­cê pre­ci­sa co­nhe­cer es­sa pes­soa, sa­ber quem ela é, co­mo é es­se al­guém por quem vo­cê es­tá apai­xo­na­da, qual é seu ca­rá­ter, quais são suas fra­que­zas e seus pon­tos for­tes. Is­so es­tá acon­te­cen­do, ou são seus sen­ti­men­tos e suas emo­ções que co­man­dam suas ati­tu­des? Se os seus sen­ti­men­tos to­mam a dian­tei­ra, vo­cê fa­cil­men­te ima­gi­na­rá fan­ta­sias, que se es­vai­rão co­mo uma bo­lha de sa­bão que se ar­re­ben­ta no ar.

Es­se co­nhe­ci­men­to da pes­soa ama­da in­clui al­gu­mas ques­tões es­pi­ri­tuais: ela ama a Je­sus com fer­vor? Ela ama mis­sões? Ela se an­gus­tia por ver mi­lhões de pes­soas se per­den­do sem Je­sus? As res­pos­tas prá­ti­cas a es­sas per­gun­tas se­rão en­con­tra­das ob­ser­van­do seu com­por­ta­men­to na igre­ja. Ela par­ti­ci­pa das reu­niões? Ela faz uso de seus dons, por exem­plo, na Es­co­la Do­mi­ni­cal, com os ju­nio­res ou no gru­po de jo­vens? Ou ela se preo­cu­pa mais com even­tos fo­ra da igre­ja? Abra seus olhos, ob­ser­ve, não si­ga ape­nas seu co­ra­ção, nem dei­xe de la­do a ra­zão! Quan­do al­guém não es­ta­be­le­ce suas prio­ri­da­des es­pi­ri­tuais an­tes de co­me­çar um re­la­cio­na­men­to, cer­ta­men­te não o fa­rá de­pois!

Mais um pon­to im­por­tan­te é a ques­tão ma­te­rial: ca­sa­men­to, en­xo­val, alu­guel, rou­pas, etc., tu­do is­so cus­ta mui­to di­nhei­ro! Por is­so, não se apai­xo­ne por um pre­gui­ço­so, que se acha bom de­mais pa­ra al­gum tra­ba­lho que su­je as mãos. Os pro­ble­mas cer­ta­men­te vi­rão se vo­cê se en­vol­ver com al­guém que não gos­ta de tra­ba­lhar. A Bí­blia é mui­to ra­di­cal nes­se sen­ti­do: “...se al­guém não quer tra­ba­lhar, tam­bém não co­ma” (2 Ts 3.10)!

Folhetos Personalizados

Fi­na­li­zan­do: bus­que con­se­lho com ir­mãos ma­du­ros, com cris­tãos es­pi­ri­tuais, que vo­cê co­nhe­ce e dos quais sa­be que vi­vem fiel­men­te com o Se­nhor. Eles vêem as coi­sas de ma­nei­ra mui­to mais só­bria e ob­je­ti­va e po­de­rão dar-lhe orien­ta­ções sá­bias.

Po­rém, a ques­tão mais im­por­tan­te é: qual a von­ta­de de Deus pa­ra sua vi­da? Ore pe­la di­re­ção do Se­nhor, nes­te e em to­dos os as­sun­tos re­la­ti­vos ao seu fu­tu­ro! Cla­me a Ele, tra­ga dian­te dE­le to­das as suas dú­vi­das e ques­tio­na­men­tos, pro­ble­mas e preo­cu­pa­ções. En­tão es­pe­re por Sua res­pos­ta! Pois o jo­vem que Deus tem pre­pa­ra­do pa­ra vo­cê não vai fu­gir. Ele po­de es­pe­rar por vo­cê, as­sim co­mo vo­cê po­de es­pe­rar por ele, ain­da mais que vo­cê é tão jo­vem. Não te­nha pres­sa.

Re­pi­to: o que aca­bei de di­zer é vá­li­do pa­ra ra­pa­zes e pa­ra mo­ças. Mas os ra­pa­zes tam­bém de­ve­riam ob­ser­var com re­la­ção à ques­tão fi­nan­cei­ra: ela é es­ban­ja­do­ra ou sa­be eco­no­mi­zar? Ela se preo­cu­pa com o que é im­por­tan­te ou só pen­sa em mo­da, di­ver­são e la­zer? Se­rá que ela é a mu­lher que eu que­ro co­mo mãe pa­ra meus fi­lhos? Va­le a pe­na pen­sar nes­sas ques­tões! (Sa­muel Rin­dlis­ba­cher)

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança