Quanto tempo dura a eternidade?

Roger Liebi

Compartilhe: 

A Bíblia não deixa nenhuma dúvida de que existem dimensões de tempo que não têm fim, que são eternas. Isso vale tanto para a vida eterna como para o sofrimento eterno.

Assinatura Digital

A palavra aion, que aparece com frequência no texto original grego do Novo Testamento, significa “era”, mas também “eternidade”. Essa palavra não tem um sentido exclusivo. O mesmo vale para o vocábulo hebraico ólam, no Antigo Testamento. Dependendo do contexto em que se encontra, ele pode ser traduzido por “eternidade”, por “era” ou até por “tempo de vida”. Todavia, se ólam é aplicado em relação a Deus, imediatamente fica claro que ólam significa “eternidade no sentido absoluto”. Em Gênesis 21.33, Javé (o “que existe eternamente”, o “imutável”) é chamado de Elólam. Isso significa claramente “Deus da eternidade” (“Deus Eterno”).

Todo idioma tem possibilidades de expressar tudo o que se deseja. Assim, em cada idioma, caso seja necessário, é possível adicionar a clareza na expressão. Se quisermos falar claramente de eternidade em seu sentido absoluto, no idioma hebraico, então podemos utilizar a formação le-ólmei ólamin (“nas eras das eras”). Essa expressão significa claramente “para todo o sempre”.

No Novo Testamento essa formação tipicamente hebraica foi adotada no grego, assim como tantas outras formas de expressão hebraicas: eis aionas ton aionon (“nas eras das eras”). No Novo Testamento essa expressão é claramente empregada várias vezes para indicar a eterna existência de Deus (Apocalipse 4.9-10; 10.6; 11.15). A mesma expressão verbal é aplicada reiteradamente em relação à perdição daqueles que rejeitam o evangelho (Apocalipse 14.11; 19.3; 20.10).

Além disso, há um adjetivo no Novo Testamento que, na literatura do século I d.C. (bíblica e secular), significa claramente “eterno” no sentido absoluto. Trata-se da palavra aionios, que aparece quase 70 vezes. Em 2Coríntios 4.18 essa palavra aparece em contraste com “temporal” (proskairos). Na ciência linguística isso é conhecido como oposição semântica.

Se não soubéssemos o significado de aionios, então precisaríamos perguntar: qual é o contrário de “temporal”? Algo bem simples: infinito, eterno! Em Mateus 25.41 e em Judas 1.7 o “fogo” do juízo é descrito com aionios.

Em Mateus 25.46 encontra-se mais um caso de oposição no contexto de aionios: no mesmo versículo, o castigo dos perdidos e a vida dos redimidos são chamados de aionios. “E estes irão para o castigo eterno, mas os justos para a vida eterna.”

Se não houvesse castigo eterno, também não haveria vida eterna!

Compartilhe: 

Roger Liebi é formado em música (Conservatório e Faculdade de Música em Zurique – Violino e Piano), línguas do mundo da Bíblia (grego, hebraico clássico e moderno, aramaico, acádio) e em teologia (bacharelado, mestrado e doutorado). Completou o doutorado junto ao Whitefield Theological Seminary, na Flórida (EUA), onde apresentou uma dissertação na área de estudos judaicos e arqueologia sobre “O Segundo Templo em Jerusalém”. Entre 2004 e 2011 foi docente universitário para a área de arqueologia de Israel e do Oriente Médio. Atua como professor de ensino bíblico e como palestrante em diversos países. Participou em três projetos de tradução da Bíblia. Seu envolvimento com as Escrituras Sagradas e áreas científicas gerou uma série de publicações.

Veja artigos do autor

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança