Preocupação e Ansiedade

Daniel Lima

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

“Hakuna Matata” (“não se preocupe”), cantavam os personagens de um famoso desenho animado. No decorrer do desenho, eles aprendem que sim, precisamos nos preocupar com várias coisas na vida. No filme o não se preocupar levou o personagem principal a ser irresponsável e não encarar seu papel na sociedade. Muitos de nós conhecemos pessoas que, por agir de modo irresponsável, prejudicam a si mesmas, e àqueles que por qualquer razão dependem delas. Lembro-me de conversar com um marido em um momento em que seu casamento estava em profunda crise. Ele me falou de seus planos profissionais (um pouco fantasiosos) e eu perguntei o que sua esposa achava disso. Sua reação com muita paixão foi: “Não estou nem aí para o que ela pensa!”.

A grande maioria dos cristãos concorda que precisamos ser responsáveis e, para isso, precisamos nos preocupar em cumprir nosso papel para com Deus, em primeiro lugar, e com aqueles ao nosso redor. Afinal, 1Timóteo 5.8 afirma: “Se alguém não cuida dos seus parentes, especialmente dos da própria família, negou a fé e é pior que um descrente”.

Em paralelo, tenho ouvido ultimamente em vários contextos conservadores, com os quais eu me identifico, o ensino de que toda ansiedade é pecado. Preocupar-se e estar ansioso são expressões que se confundem muito no uso comum. Em que momento uma preocupação se torna ansiedade? Em que contexto ansiedade é pecado? Das 17 vezes em que a palavra merimna (ansiedade em grego) é usada no Novo Testamento, doze são condenações e cinco são apenas constatações ou mesmo elogios. Em Filipenses 2.20, por exemplo, Timóteo é elogiado por ter “sincero cuidado por vocês”. A palavra cuidado é a mesma traduzida por ansiedade em outras passagens (verifique 1Coríntios 7.32-34 e 12.25).

Recentemente, parei para estudar e refletir sobre as palavras de Jesus registradas em Lucas 12.22: “Por isso, digo a vocês que não se preocupem com a própria vida, quanto ao que comer; nem com o corpo, quanto ao que vestir”. A argumentação de Jesus segue afirmando que Deus é quem tem cuidado de nós. Nos versículos 30-31, Jesus nos esclarece um pouco mais seu ensino: “Pois o mundo gentio é que corre atrás dessas coisas, mas o Pai de vocês sabe que precisam delas. Busquem, pois, o reino de Deus, e essas coisas serão acrescentadas a vocês”. Sua exortação não é contra preocupar-se ou ser responsável. Na verdade, em Lucas 14.26-35 Jesus fala da importância de contar o custo e de agir de forma responsável.

O cerne do ensino de Jesus é um alerta contra a incredulidade. O mundo afirma que você tem que cuidar de si mesmo.

O cerne do ensino de Jesus é um alerta contra a incredulidade. O mundo afirma que você tem que cuidar de si mesmo. Mesmo em ideologias que atribuem ao Estado o cuidado do indivíduo, existe a obrigação de se lutar por um Estado que faça isso. Infelizmente, em Estados de bem-estar social (welfare state), aqueles no poder, a elite, continuam a cuidar muito bem de si mesmos.

A pergunta é: quem é o Senhor? Quem governa sua vida? Quem cuida de você? Para o incrédulo a resposta é simples: você cuida de você! O problema dessa equação é que mais cedo ou mais tarde você não será cuidado como acha que merece. Ou você não se encaixa no perfil de ser cuidado. Recentemente temos assistido aos conflitos que têm surgido quando universidades têm negado acesso preferencial a alunos que se identificam como negros. Um direito que esses jovens assumiam ter lhes foi tirado, e assim eles entraram na justiça contra as universidades que, em sua opinião, eram obrigadas a conceder esse acesso preferencial.

“Pois, onde estiver o seu tesouro, ali também estará o seu coração.” (Lc 12.34)

Quem é o Senhor? Busquem a esse Senhor, só ele pode garantir sua vida. No versículo 34, Jesus resume o princípio de seu ensino: “Pois, onde estiver o seu tesouro, ali também estará o seu coração”. Onde estiver seu tesouro, seu “salvador”, ali estará sua confiança, ali estará o foco de sua atenção e é para ele que você vai se voltar em caso de necessidade.

Se você acredita que você mesmo, ou o Estado, ou uma ideologia, são o seu tesouro, aquilo de que você não pode abrir mão para ser feliz, você vai ficar ansioso. Por outro lado, se você confiar no Senhor, ainda que você tenha de se preocupar com várias atividades e responsabilidades, ainda que você tenha medo do futuro, você vai crescer em sua confiança de que o Senhor está no controle!

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Daniel Lima (D.Min., Fuller Theological Seminary) serviu como pastor em igrejas locais por mais de 25 anos. Também formado em psicologia com mestrado em educação cristã, Daniel foi diretor acadêmico do Seminário Bíblico Palavra da Vida (SBPV) por cinco anos. É autor, preletor e tem exercido um ministério na formação e mentoreamento de pastores. Casado com Ana Paula há mais de 30 anos, tem quatro filhos, dois netos e vive no Rio Grande do Sul desde 1995. Ele estará presente no 25º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Leia também

Equilíbrio ou ritmo de vida?
Equilíbrio ou ritmo de vida?
Daniel Lima
Oportunidades perdidas
Oportunidades perdidas
Daniel Lima
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Daniel Lima
Dores secretas
Dores secretas
Daniel Lima
Aprendendo com as Repreensões de Cristo à Igreja Primitiva
Aprendendo com as Repreensões de Cristo à Igreja Primitiva
Jeff Kinley
Desânimo: péssimo conselheiro
Desânimo: péssimo conselheiro
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

A Cronologia do Fim dos Tempos

R$43,90

Manual de Escatologia Chamada

R$79,90

Atos

R$119,90

Liderando Mulheres em Conflito

R$39,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes