Permanecendo firme na tempestade

Daniel Lima

Compartilhe: 

Nesta semana tivemos uma forte tempestade em Porto Alegre. O vento foi rápido, mas causou destruição em muitos pontos. Enquanto o vento rugia, fiquei pensando no que havia no nosso pátio que não estivesse firme, que não estivesse fixo. Galhos grandes caíram, em alguns lugares casas foram destelhadas; graças a Deus, em nossa casa nada foi danificado, nenhuma telha voou. Apesar de forte, para nossos padrões, não foi nada comparado às regiões que enfrentam furacões e tornados. Existem casos de tempestades ou furacões que atingem mais de 300 quilômetros por hora! Em situações assim, carros, caminhões e mesmo casas e edifícios são destruídos em questão de instantes.

Fiquei pensando em como ventos tão ou mais furiosos batem em nossas vidas. Cada um tem suas tempestades, cada um enfrenta seus furacões e ciclones. A diferença não é sua força ou seu peso, mas se você está firme ou não. Nas tempestades meteorológicas, quem estiver solto será afetado. E nas tempestades existenciais não é tão diferente. O apóstolo Paulo afirma em Efésios 4.14 que o propósito da maturidade é que “não sejamos mais como crianças, levados de um lado para outro pelas ondas, nem jogados para cá e para lá por todo vento de doutrina e pela astúcia e esperteza de homens que induzem ao erro”. Esta observação é séria. Ela indica que podemos, por falta de maturidade, ser jogados para lá e para cá não só por doutrina diferentes, mas por homens que induzem ao erro.

É curioso que, como em tantas outras situações, a resposta não é o oposto (ou seja, rigidez), mas um ponto diferente (neste caso, a firmeza). Não sei como você reage às tempestades em sua vida. Conheço cristãos que diante de quase qualquer vento se desestruturam e começam a procurar respostas em todo canto, mesmo em fontes que eles sabem que não são confiáveis. Vejo também muitos outros cristãos que são rígidos diante de crises. Parecem negar qualquer dor e fazer de conta que estão acima de qualquer crise, de qualquer problema.

Firmeza não é ignorar a dúvida, nem fazer de conta que estamos acima dela; firmeza é saber em quem temos crido (2Timóteo 1.12) e saber de onde tiramos nossas convicções. Na mesma carta a Timóteo, Paulo, após descrever que haverá tempos onde muitos enganadores surgirão, escreve:

14Quanto a você, porém, permaneça nas coisas que aprendeu e das quais tem convicção, pois você sabe de quem o aprendeu. 15Porque desde criança você conhece as Sagradas Letras, que são capazes de torná-lo sábio para a salvação mediante a fé em Cristo Jesus. 16Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção e para a instrução na justiça, 17para que o homem de Deus seja apto e plenamente preparado para toda boa obra. (2Timóteo 3.14-17)

Existem dois conceitos sobre permanecer firme nestes versos. O primeiro é saber de quem temos aprendido. Isso nos indica a importância da autoridade de quem ensina. (Importa lembrar que autoridade não nasce de conhecimento, mas de uma vida vivida de acordo com os princípios ensinados.) No entanto, posto que somos humanos e, portanto, falíveis, eu creio que é no segundo conceito que reside muito de nossa segurança: a autoridade da Escritura.

O que nos permite resistir a tempestades não são apenas pessoas ao nosso redor, muito embora estas sejam fundamentais (Hebreus 10.24-25). Em minha vida, o que me traz esperança, segurança, o que me faz permanecer firme, é a verdade expressa na Palavra. Digo isso, pois já houve momentos de minha vida em que ninguém tinha uma palavra que me desse um rumo ou uma perspectiva de futuro. Ninguém podia me ajudar ou mesmo dar esperança. Nessas horas meu único consolo está em Deus. E ele decidiu se revelar por meio de sua Palavra! Quando as coisas ao meu redor, onde eu colocava tanta esperança, sejam amizades, sejam promessas, sejam planos ou princípios humanos, quando tudo isso cai por terra ou é levado pelo vento, o que permanece é a minha relação com Deus, baseada na verdade da Palavra.

Quando as coisas ao meu redor caem por terra ou são levadas pelo vento, o que permanece é a minha relação com Deus, baseada na verdade da Palavra.

Por isso Paulo termina a passagem acima declarando que a Palavra é confiável e que seu propósito é fazer do homem de Deus alguém maduro (que não é levado pelo vento) e que está preparado para toda boa obra, mesmo que seja a obra de permanecer firme em sua fé no meio do tornado.

Quando você e eu não entendermos a Palavra, nós estamos errados e a Palavra está certa. Quando tivermos dificuldade em aceitar algumas verdades, nós estamos errados e a Palavra está certa. Quando não concordarmos com a Palavra... nós estamos errados e a Palavra está certa. Isso é o que nos faz firmes e prontos para resistir no dia mau. Minha oração por você e por mim é que sejamos firmes, enraizados na Palavra da Verdade, para podermos resistir às tempestades que nosso Deus amoroso permitirá que se abatam sobre nós.

Compartilhe: 

Daniel Lima foi pastor de igreja local por mais de 25 anos. Formado em psicologia, mestre em educação cristã e doutorando em formação de líderes no Fuller Theological Seminary, EUA. Daniel foi diretor acadêmico do Seminário Bíblico Palavra da Vida por 5 anos, é autor, preletor e tem exercido um ministério na formação e mentoreamento de pastores. Casado com Ana Paula há mais de 30 anos, tem 4 filhos e vive no Rio Grande do Sul desde 1995.

Veja artigos do autor

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança