Páscoa: A Vitória Sobre a Morte

Dieter Steiger

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Quanta coisa é feita apenas para não haver lembrança da morte! Essas tentativas incluem a luta diária e desesperada contra o envelhecimento. Quando nos olhamos no espelho, ficamos perplexos com os cabelos cada vez mais brancos, com a pele que vai enrugando…

O escritor da carta aos Hebreus acerta quando diz: “... todos os que, pelo pavor da morte, estavam sujeitos à escravidão por toda a vida” (Hebreus 2.15). O medo da morte é um jugo extremamente pesado, um legítimo pavor. Tenta-se colocar de lado a ideia da morte, e as mais diversas tentativas são feitas para fugir da escravidão imposta pela consciência de que um dia todos partiremos deste mundo.

Alguns se consolam com as chamadas experiências de quase-morte, histórias ilusórias que o pai da mentira usa para enganar a muitos. O autoengano é o pior engano. Ele é como a história daquele rei que estava morrendo e foi visitado pelo bobo da corte. Este lhe perguntou se estava preparado para sua última viagem. O rei  espondeu que não. Aí o bobo teria tirado sua touca, colocado-a na cabeça do rei e dito: “Vossa majestade é um bobo ainda maior do que eu porque deixou de se preparar para sua última viagem”.

O autoengano é o pior engano. O último inimigo – a morte – até agora sempre teve a palavra final.

Espero que cada um dos que leem estas linhas se apegue à verdade bíblica, que diz: “E todo o que vive e crê em mim não morrerá eternamente” (João 11.26). A chave para o cumprimento dessa promessa é “crê em mim”, é crer em Jesus, é depositar toda a nossa confiança no Senhor Jesus e não em truques ou filosofias que estão tentando pregar uma peça e enganar a morte. O último inimigo – a morte – até agora sempre teve a palavra final. Todos precisam morrer, porque todos pecaram. Por meio do primeiro ser humano, Adão, veio o pecado e com ele a morte para toda a humanidade. Por meio do último Adão, que é Jesus Cristo, veio a justiça e a vida… Por isso “Deus nos deu a vida eterna, e essa vida está em seu Filho. Quem tem o Filho, tem a vida; quem não tem o Filho de Deus, não tem a vida” (1João 5.11-12). Muitas vezes nosso problema consiste em não conseguirmos ver essa nova vida, essa vida eterna, num mundo marcado pela morte.

Assinante Plus

É por essa razão que o homem rico discutia com Abraão tentando impedir que seus cinco irmãos ainda vivos um dia também chegassem a “este lugar de tormento”. Por isso falou a Abraão: “Então eu te suplico, pai: manda Lázaro ir à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos. Deixa que ele os avise...” (Lucas 16.27-28). Ele realmente achava que, se alguém retornasse do reino dos mortos, seus irmãos iriam se arrepender. Abraão deu apenas uma única e definitiva resposta, válida para todos os tempos: “Eles têm Moisés e os Profetas; que os ouçam” (Lucas 16.29). Aos sábados, nas sinagogas, são lidos em voz alta trechos dos cinco livros de Moisés e dos escritos dos profetas. Ou seja, tanto os judeus que pedem por sinais quanto os gregos (os não-judeus) que pedem por sabedoria são conduzidos à revelação escrita, que é a Bíblia.

Nosso problema consiste em não conseguirmos ver essa nova vida, essa vida eterna, num mundo marcado pela morte.

O Filho de Deus, que é a verdade (corporificada), a ressurreição e a vida, venceu a morte, tomou dela o poder que ela detinha, pois removeu de uma vez para sempre o aguilhão da morte, que é o pecado. Ele trouxe à luz o evangelho, a boa nova. Por isso, lemos nos Atos dos Apóstolos: “Com grande poder os apóstolos continuavam a testemunhar da ressurreição do Senhor Jesus...” (Atos 4.33). 

Ele não ficou na morte, e nós também não ficaremos! Que hoje, aqui e agora, a mensagem da Páscoa encha completamente os nossos corações, pois é uma mensagem de alegria e vitória. Nosso Senhor ressuscitou! E os que são dele também ressuscitarão! “Todo aquele que nele tem esta esperança purifica- se a si mesmo, assim como ele é puro” (1João 3.3).

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Dieter Steiger nasceu na Alemanha e se formou em teologia pelo Seminário Bíblico de Beatenberg, Suíça. Em 1965, ele e sua esposa, Helga, deixaram a Europa como missionários em direção ao Brasil. Foi diretor e professor da Escola Bíblica da Chamada da Meia-Noite em Montevidéu, Uruguai, e também serviu por muitos anos como presidente da Chamada da Meia-Noite no Brasil, a qual fundou. Em 2016, porém, voltou para a sua terra natal, onde aguarda ansiosamente a volta do Senhor Jesus Cristo.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Tudo posso naquele que me fortalece
Tudo posso naquele que me fortalece
William MacDonald
Como reconquistar uma amizade perdida?
Como reconquistar uma amizade perdida?
Daniel Lima
Nele tudo subsiste
Nele tudo subsiste
Daniel Lima
Decisões, Justiça e Preferências
Decisões, Justiça e Preferências
Daniel Lima
Como Deus é Grande!
Como Deus é Grande!
Reinhold Federolf
Como andar no escuro?
Como andar no escuro?
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

R$59,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes