O que é o pecado?

Bobby Conway

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Pecado não é uma palavra popular, e eu entendo o porquê. Quem gosta de pensar em si mesmo como um pecador? Mesmo aqueles que não conhecem o significado da palavra sabem que ela tem uma conotação negativa. Mas o que exatamente é o pecado?

Biblicamente, pecar significa ficar aquém do padrão de justiça de Deus. Paulo colocou isso da seguinte forma: “Pois todos pecaram e estão destituídos da glória de Deus” (Romanos 3.23). O abismo moral entre Deus e o ser humano é tão grande que assola a todos nós. Ninguém consegue atingir esse padrão. O pecado afeta a nós todos.

Como a humanidade procurou lidar com esse problema sistêmico do pecado?

Primeiro, esse dilema moral levou algumas pessoas a tentarem alcançar o padrão com suas próprias forças. Essa é definitivamente uma busca em vão. Eu dou o maior apoio para alguém que se esforça para viver de maneira justa, mas não se essa pessoa pensa que pode obter a perfeição moral por conta própria. Isso é impossível.

Segundo, algumas pessoas procuraram minimizar os padrões de Deus a fim de sentirem-se melhor a respeito de si mesmas. Elas fazem isso reduzindo as ordens de Deus a fim de ser possível cumpri-las. Outros podem até proclamar a si mesmos como o padrão e, assim, buscam sentir-se bem consigo mesmos ao encontrar alguém que pareça pior, mais decadente. Mas isso é totalmente ineficaz para remover o padrão verdadeiro e apenas permite que a pessoa viva se iludindo, achando que é realmente justa. O padrão de Deus não encolhe. Ele não é ajustável.

Terceiro, outros buscam remover totalmente o padrão. Como Fiódor Dostoiévski disse certa vez: “Se Deus não existe, tudo é permitido”. Não existe pecado sem o padrão. E, se não existe pecado, então não há culpa; se não há culpa, então, por favor, comam, bebam e se divirtam, certo? Errado. A culpa existe porque o pecado existe, e o pecado existe porque existe um padrão, e esse padrão existe porque há um Deus. Deus é o padrão.

Assinante Plus

A culpa existe porque o pecado existe, e o pecado existe porque existe um padrão, e esse padrão existe porque há um Deus.

Eu lembro de, numa certa ocasião, estar refletindo sobre esse padrão com desânimo. Eu pensei: Deus, isso não parece certo. Nós somos considerados responsáveis por não atingirmos um padrão impossível. Somos basicamente julgados por não sermos tão justos quanto o Senhor. Para sermos assim, precisaríamos ser o Senhor – teríamos que ser Deus, mas não somos. Eu pensei mais um pouco comigo mesmo: Isso seria como se eu levasse meu filho para a cidade de Nova York e deixasse ele na rua enquanto eu subo até o topo do edifício Empire State, colocasse uma cesta de basquete do lado do prédio e gritasse para ele lá do alto: “Beleza, Dawson, vamos ver você fazer uma cesta”. Você consegue imaginar quão tolo ele pareceria lá embaixo, na rua, tentando colocar a bola de basquete em uma cesta que está a 102 andares de altura? Seria fútil. E pareceria absurdo. Pior ainda, imagine que eu o castigasse por não conseguir alcançar esse padrão impossível que defini.

De maneira similar, nós todos falhamos risivelmente em alcançar o padrão moral de Deus. Mas Deus não espera que nós mantenhamos esse padrão, a não ser que planejemos chegar ao céu sem Jesus. E isso não vai acontecer. Nem para mim nem para ninguém. Deus sabe que não podemos manter o padrão. Por isso ele fez a cesta por nós ao enviar Jesus para atingir o padrão em nosso lugar. Agora tudo o que precisamos fazer é crer que Jesus foi o substituto por nós ao morrer na cruz, a fim de pagar pelos nossos pecados. Podemos então ser considerados justos pela fé. E isso é uma ótima notícia.

No final, nós não somos julgados por não atingirmos o padrão.

Somos julgados pelo que fazemos a respeito de Jesus.

Publicado com permissão do ministério The One Minute Apologist (disponível em: https://oneminuteapologist.com/what-is-sin/).

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Bobby Conway é o fundador e apresentador do ministério One Minute Apologist, especializado em fornecer respostas rápidas e fundamentadas sobre a defesa da fé cristã. É mestre em teologia pelo Dallas Theological Seminary e doutor pelo Southern Evangelical Seminary na área de apologética. Casado com Heather, tem 2 filhos e vive no sul da Califórnia, onde leciona no Calvary Chapel Bible College. Autor do livro Duvidando em Direção à Fé, publicado no Brasil pela Chamada.

Veja artigos do autor

Leia também

“Foi só por brincadeira”
“Foi só por brincadeira”
Daniel Lima
Arrependimento que liberta
Arrependimento que liberta
Daniel Lima
Como reagir a um rei louco?
Como reagir a um rei louco?
Daniel Lima
Identidade e Fidelidade
Identidade e Fidelidade
Daniel Lima
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Daniel Lima
Vitória Sobre o Desânimo
Vitória Sobre o Desânimo
Elsbeth Vetsch
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

Provérbios

R$32,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

O Reino Vindouro

R$59,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes