O que é batalha espiritual? Estamos realmente em uma guerra?

Mark Hitchcock

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

John F. Kennedy foi um oficial naval comissionado durante a Segunda Guerra Mundial. Em agosto de 1943, seu barco de patrulha, o PT 109, foi atacado por um destróier inimigo e afundou perto das Ilhas Salomão, que eram mantidas pelo Japão. Kennedy e um companheiro oficial nadaram de uma ilha ocupada pelo inimigo à outra até que encontraram alguns habitantes amigáveis que os ajudaram a entrar em contato com as forças americanas. Anos mais tarde, Kennedy foi proclamado herói de guerra, mas sua resposta sincera foi: “Foi involuntário. Eles afundaram meu barco”.[1]

Assim é com todos os crentes. Não precisamos nos voluntariar para nos acharmos envolvidos em uma guerra. É involuntário – a guerra chegou até nós. Satanás e o mundo lutam violentamente contra nós externamente, e nossa carne se opõe a nós internamente. Alguns parecem acreditar que vir a Cristo os remove da batalha, mas o oposto é verdadeiro. A batalha de fato começa quando a pessoa se torna cristã. Todo crente em Cristo está no meio de uma guerra invisível. As Escrituras nos lembram: “Suporte comigo os meus sofrimentos, como bom soldado de Cristo Jesus” (2Tm 2.3). Como Erwin Lutzer diz: “Estamos em uma guerra. Não podemos pleitear o pacifismo. Não podemos fugir das balas. Não podemos nos esconder das bombas. Não podemos solicitar licença médica”.[2] Há dois lados nesta batalha cósmica das eras. “O inimigo é Satanás, o campo de batalha é a nossa mente, e a questão é a nossa caminhada cristã. Nós não vivemos em um mundo neutro. Existem forças hostis em operação nele, um ser maligno com uma hoste de serviçais que se opõem a Deus e ao homem.”[3]

Winston Churchill certa vez disse que o imperador Guilherme II queria ser Napoleão sem lutar as batalhas de Napoleão. O kaiser queria vitórias sem guerras. Não queremos todos? Especialmente na vida cristã. Mas simplesmente não é possível. Não existem vitórias sem batalhas. Nós não vivemos em um mundo neutro.[4]

A expressão “batalha espiritual” nunca aparece na Bíblia. É um termo teológico prático para descrever o conflito da vida cristã. A batalha espiritual que estamos enfrentando é uma luta épica contra Satanás e seus anjos, contra os principados e as potestades. Ela está sendo travada diariamente onde nós vivemos – em nossos lares, nossos escritórios, nossos casamentos, nossa igreja e no íntimo do nosso coração. Billy Graham descreve a batalha espiritual que é travada.

Vivemos em um perpétuo campo de batalha – a grande Guerra das Eras continua a ser travada. As linhas de combate pressionam cada vez mais fortemente contra o próprio povo de Deus. As guerras entre as nações são meramente brincadeiras com armas de plástico em comparação com a ferocidade da batalha no mundo espiritual invisível. Este conflito espiritual invisível é travado ao nosso redor incessante e persistentemente. Onde o Senhor age, as forças de Satanás atrapalham; onde os anjos realizam as ordens divinas, os diabos se enfurecem. Tudo isso acontece porque os poderes das trevas pressionam seu contra-ataque para retomar o terreno que é mantido para a glória de Deus.[5]

John MacArthur define batalha espiritual como

uma guerra de proporções universais contrapondo Deus e sua verdade contra Satanás e suas mentiras. É uma batalha de vontades entre Deus e Satanás. É um conflito cósmico que envolve Deus e a mais alta criatura que ele fez, e o conflito atinge cada ser humano. Satanás e seu exército de demônios estão lutando contra Cristo, seus santos anjos, a nação de Israel e os crentes. As linhas de batalha estão claramente desenhadas.[6]

A batalha espiritual é uma guerra invisível travada no domínio espiritual, mas alimentada no domínio visível, físico.[7]

Assinante Plus

Efésios 6.10-20 é o texto clássico do Novo Testamento sobre batalha espiritual. Poderíamos chamá-lo de manual de campo do cristão para a batalha espiritual. A antiga metrópole de Éfeso estava repleta de atividades ocultas. A visita inicial de Paulo ali incitou um encontro com poderes demoníacos no qual o nome de Cristo provou ser supremo (At 19.11-20). Muitos dos crentes em Éfeso estiveram impregnados no ocultismo antes de virem a Cristo.

Em Efésios 5.22–6.9, Paulo se dirige a diversos grupos específicos dentro da igreja (esposas, maridos, filhos, pais e escravos). Em 6.10 ele se dirige a toda a congregação novamente, advertindo-os e a nós sobre a batalha espiritual que todos enfrentamos. É instrutivo que a seção sobre a batalha espiritual siga a seção sobre a família em Efésios. Isso não é um acidente. O ataque de Satanás aos casamentos e à família é real e implacável. Como alguém disse: “Quando você se casar, aí é que a guerra começa”.

Efésios 6 nos conta que o mundo invisível ao nosso redor é tão real quanto o mundo visível, e está cheio de terroristas demoníacos que querem enfraquecer a nossa fé e impedir nosso progresso espiritual. Efésios 6.12 identifica a intensidade e o escopo do conflito: “Porque a nossa luta não é contra o sangue e a carne, e sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes” (RA). A palavra grega traduzida por “luta” era originalmente usada para os combates que faziam parte dos jogos gregos. A figura desse combate ressalta o imediatismo e a proximidade do conflito, e o esforço e energia exigidos.

A palavra “contra” ocorre cinco vezes em Efésios 6.10-18, iluminando o embate cósmico de forças e a intensidade da luta. O Senhor quer que saibamos contra o que estamos contra. As linhas de batalha estão claramente desenhadas. Deus e seu povo estão de um lado, e Satanás e seus demônios estão no outro.

“Sangue e carne” se referem a pessoas. Isso não está dizendo que não temos lutas contra outras pessoas (no nível humano), mas que nossa luta não é apenas nesse nível. O conflito final na batalha espiritual é travado contra as forças espirituais das trevas que estão operando por trás do que é visto.

Notes

  1. Citado em Ray C. Stedman, Spiritual Warfare (Grand Rapids, MI: Discovery House, 1999), p. 71.
  2. Erwin W. Lutzer, The Serpent of Paradise (Chicago: Moody Press, 1996), p. 119.
  3. Paul W. Powell, The Great Deceiver: Seeing Satan for What He Is (Nashville, TN: Broadman Press, 1988), p. 9.
  4. Powell, The Great Deceiver, p. 1.
  5. Billy Graham, Angels: God’s Secret Agents, ed. rev. (Dallas: Word Publishing, 1986), p. 59.
  6. John MacArthur, Standing Strong: How to Resist the Enemy of Your Soul, 2ª ed. (Colorado Springs, CO: David C. Cook, 2006), p. 21.
  7. Tony Evans, Victory in Spiritual Warfare (Eugene, OR: Harvest House, 2011), p. 14.
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Mark Hitchcock achava que sua carreira estava definida quando se formou na faculdade de direito. Contudo, após receber um claro chamado ao ministério de tempo integral, foi para o Dallas Theological Seminary, onde completou o mestrado e o doutorado e atualmente serve como professor associado na área de exposição bíblica. Autor de inúmeros livros, é pastor principal da Faith Bible Church, em Edmond, Oklahoma.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Enfrentando o Leão
Enfrentando o Leão
Peter Colón
A Guerra de Satanás Contra Deus
A Guerra de Satanás Contra Deus
Thomas Ice
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

R$59,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes