O ápice da salvação

Libnis Silva

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

“Eu te batizo em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo...” Essa será uma das poucas vezes que o novo convertido, senão muitos crentes, irá escutar sobre a Trindade de maneira prática. Desde os pais da igreja, estudar a doutrina da Trindade tem sido um encanto e um desafio. No entanto, muitos não têm ensinado sobre a Trindade devido à complexidade e às abordagens dadas. A doutrina da Trindade tem sido reconhecida como uma doutrina essencial da fé ortodoxa, mas sem nenhuma ligação com a vida ortodoxa (ortopraxia). Parece que, para muitos, o conhecimento de Deus e de quem ele é não está ligado à realidade do cristão no mundo.

Como reverter essa situação tão triste? Um modo de transformar essa realidade nas igrejas é ensinando como a Trindade é relevante para o cristão. É começar a ensinar, não apenas na fase de maturidade do conhecimento cristão, mas desde cedo, desde o novo nascimento, desde que o cristão é novo convertido. A Trindade deve ser o fundamento para a vida do novo convertido, assim como foi na história da igreja.

Será que “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” é o único envolvimento prático da Trindade que precisamos saber e ser lembrados em nossa vida cristã? Quanto o Deus trino está envolvido na salvação do homem?

A Trindade deve ser o fundamento para a vida do novo convertido, assim como foi na história da igreja.

Creio que uma das melhores formas de perceber as maravilhas da salvação para nosso dia a dia seja lendo a carta aos Efésios. Paulo sumariza para nós a doutrina da salvação e ainda demonstra que a boa prática está ligada diretamente à boa teologia.

Prioritariamente, a finalidade da salvação se refere a receber uma nova identidade para relacionar-se com Deus. Essa nova identidade não só muda o status, mas também muda as ações, os pensamentos, as emoções, os relacionamentos.

Efésios nos mostra isso. Paulo estrutura a carta de maneira fantástica! Na primeira parte da carta (caps. 1-3) aprendemos sobre o que somos em Cristo, qual é nossa nova identidade, que somos capacitados para viver uma nova vida e que somos parte de um corpo onde Cristo é a cabeça. Essa nova identidade é dada pelo Deus trino, que age para salvar (1.3-14), transformar (2.1-8) e capacitar (1.19-20). Aquilo que somos em Cristo, somos pelo fruto da ação do Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Sempre que pego meu RG, gosto de lembrar como ele não reflete quem realmente sou. Deixe-me explicar melhor. Primeiro, lembro que a data de nascimento foi mudada – nasci de novo (2.1); depois, vejo que minha filiação é outra – agora sou Filho de Deus (1.5). Agora minha naturalidade é especial – sou concidadão dos santos (2.19). Mas não para por aí: o registro que garante isso é o livro da vida (Apocalipse 3.5) e a data do registro é de antes da fundação do mundo (Apocalipse 17.8). E, por último, lembro que receberei um novo nome (Apocalipse 2.17). Fantástico, não?! Que Deus maravilhoso!

Assinante Plus

Na segunda parte da carta (caps. 4-6), Paulo nos mostra as implicações daquilo que somos. Ele diz: “Rogo-vos... que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados” (4.1). Em outras palavras, diante da salvação que recebemos de Deus, devemos viver de modo a engradecer o Deus que representamos. A igreja, a comunidade de novas pessoas, carrega o reflexo de Deus “para que, pela igreja, a multiforme sabedoria de Deus se torne conhecida...” (3.10). Nos capítulos finais, aprendemos de forma clara e prática a refletir o Deus trino. Devemos andar em humildade, paciência e unidade, pois “há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus e Pai de todos...” (4.4-5). Devemos andar em amor, sendo imitadores de Deus (5.1). Devemos andar como filhos da luz (5.8), evitando a idolatria e a imoralidade. Devemos andar como sábios (5.15), remindo o tempo e estando cheios do Espírito (5.18). As implicações não param aí. Uma vida cheia do Espírito Santo, então, nos leva a relacionamentos que
glorificam a Deus: marido e mulher (5.22-33), pais e filhos (6.1-4), patrões e empregados (6.5-9).

Não podemos dissociar nossa vida da teologia. Precisamos mergulhar profundamente no que Deus fez por nós e entender melhor o seu amor.

Não podemos dissociar nossa vida da teologia. Precisamos mergulhar profundamente no que Deus fez por nós e entender melhor o seu amor, para que cheguemos no ápice de nossa salvação. De modo que, como Paulo diz, precisamos orar mais “a fim de poderdes compreender, com todos os santos, qual é a largura, e o comprimento, e a altura, e a profundidade e conhecer o amor de Cristo, que excede todo entendimento, para que sejais tomados de toda a plenitude de Deus” (3.18-19). Mas, qual é o ápice da salvação? O que é ser tomado de toda a plenitude de Deus?

Realmente são maravilhosos e grandiosos os feitos de nosso Deus trino por nós, mas qual a finalidade de todos esses feitos? Sabemos que o fruto final dos feitos do Deus trino para salvar o homem (1.6,12,14), bem como tudo que fazemos (1Coríntios 10.31), deve ser para a glória de Deus. Mas será que a salvação proporcionada por Deus tem por finalidade apenas livrar-nos da condenação eterna, do inferno? Será que a finalidade é receber bênçãos? Ou será que nos dá possibilidade de termos bons relacionamentos com o próximo? Qual é o ápice da nossa salvação?

O ápice da nossa salvação é a restauração do relacionamento com Deus. O ápice da salvação é sermos plenos de Deus (3.19). Veja só! Já imaginou não ir para uma separação eterna de Deus, mas para o céu com Deus? Já imaginou ser salvo do inferno, ter seus pecados (suas dívidas) pagos, mas permanecer sem um coração que pulsa por Deus? Como podemos desejar o amor de Deus e suas dádivas sem primeiramente desejá-lo?

O ápice da nossa salvação é a restauração do relacionamento com Deus.

Infelizmente repetimos os mesmos erros e nos enganamos amando e desejando mais e mais bênçãos e o amor de Deus sem realmente desejarmos um relacionamento com ele.

É impressionante que, quando lemos os livros de teologia sistemática, vemos muitas discussões sobre a ordem de salvação (as várias visões de salvação, a cruz de Cristo, por quem Cristo morreu), de modo que nos concentramos muito na obra e no processo de salvação e nos esquecemos dos motivos da salvação do homem e sua finalidade, o ápice da salvação. Este ápice é ser dele, é estar nele, é ter comunhão com ele eternamente. Jesus Cristo, falando da finalidade de sua obra, diz: “A fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste” (João 17.21).

Mais do que salvação, é desfrutar da maravilhosa e perfeita comunhão com o Deus trino, é amar e desejar a Deus com todo o nosso ser.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Leia também

A Arca da Aliança e Jesus
A Arca da Aliança e Jesus
Britt Gillette
A Espantosa Verdade do Arrebatamento
A Espantosa Verdade do Arrebatamento
Thomas Ice
A Geração Que
A Geração Que "Verá" a Volta de Cristo
Tim LaHaye
Jerusalém no Olho do Furacão
Jerusalém no Olho do Furacão
Equipe Chamada
Graça Barata?
Graça Barata?
René Malgo
Jesus, a Luz do Mundo
Jesus, a Luz do Mundo
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

R$59,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes