Jerusalém, Israel (Quarta-feira, 07 de junho)

Daniel Lima

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Mais um dia em Jerusalém, dessa vez, dia completo, pois a conferência havia se encerrado. De manhã fomos à esplanada do templo. O local é um excelente exemplo dos paradoxos de Israel de hoje. A praça está sob controle dos jordanianos, mas o policiamento é dos israelenses. Há muçulmanos que mantêm um controle de vestimenta e costumes (casais não podem se tocar), mas antes de entrar precisamos passar por um detector de metais. A praça do templo é talvez o local mais simbólico em Jerusalém. Foi ali que Jesus ensinou, ali que ele expulsou os vendilhões, ali que Paulo foi preso – em resumo, o local foi o palco de muitos eventos centrais no Novo Testamento. O único local mais emblemático é o jardim do túmulo, mas sendo que há discussões sobre o local, a praça do templo é, para mim, o ponto alto da visita a Jerusalém!

Após essa visita, saímos pelas ruas e vielas da cidade até as ruínas da cidade de Davi e ali descemos pelos túneis de Ezequias até o ponto em que o caminho se divide em um túnel seco e um túnel molhado. O caminho todo é um desafio, mas quando se chega nesses túneis, a pessoa é testada ao máximo. Os túneis são estreitos, com pontos onde pelo menos eu tive de passar de lado. O túnel molhado é um desafio ainda maior. Ele é mais longo, totalmente escuro e tem cerca de vinte centímetros de água durante todo o percurso (parabéns aos valentes que ousaram passar por ali!). Nesse dia passamos pelo Muro das Lamentações (aprendi que somente nós brasileiros conhecemos o local por esse nome), conhecido ali como a Parede Ocidental (Western Wall).

Há inúmeras promessas ligadas ao templo. Esse é o mesmo local onde Abraão foi chamado a sacrificar seu filho Isaque. Esse é o local onde Jesus vai retornar. Um ponto de interesse é que na muralha existe ali o Portão Dourado. A tradição judaica e cristã associam esse portão à entrada de Jesus em Jerusalém e especialmente ao seu retorno (Zacarias 14). Sabendo disso, um sultão selou o portão e estabeleceu um cemitério do lado de fora, tornando aquele caminho impuro para os judeus.

Assinante Plus

Vejo nesse esforço mais uma tentativa diabólica de impedir os planos de Deus. E fico pensando em por que Satanás, sendo conhecedor das profecias, continua tentando impedir o plano daquele que ele sabe será vencedor. Talvez o Diabo, não sendo onisciente (conhecedor de tudo) queira tentar, de alguma forma, reverter o plano de Deus. Talvez, movido pelo ódio em seu coração, ele esteja lutando, mesmo sabendo que sua causa é inútil. No entanto, eu creio que o mais provável é que Satanás busca causar o máximo de dano aos amados de Deus.

Não somos ensinados a fugir do Diabo, tampouco a desprezá-lo, mas a resistir a ele.

Embora muitas passagens possam ser estudadas com respeito a esse assunto, há uma especial onde lemos: “Portanto, submetam-se a Deus. Resistam ao Diabo, e ele fugirá de vocês” (Tiago 4.7). Não somos ensinados a fugir do Diabo, tampouco a desprezá-lo, mas a resistir a ele. Seu propósito é roubar, matar e destruir (João 10.10). Ele sabe que não pode tocar os santos de Deus (1João 5.18), exceto por permissão divina. Ao mesmo tempo, sabe que pode atrapalhar nossa vida, pode prejudicar nosso testemunho, pode cegar o entendimento dos incrédulos. Contudo, a Palavra afirma que ele fugirá de nós, pois maior é o que está em nós do que o que está no mundo (1João 4.4). 

Repare, no entanto, que há um alerta antes da ordem de resistir. Somos chamados a nos submeter a Deus! É tolo aquele que acredita que pode resistir a um ser angelical de milhares de anos de idade e imenso poder. O poder não está em nós, exceto pela presença do Espírito Santo que habita em todo crente verdadeiro. Quando me submeto, me entrego, e me alinho com meu Senhor, o Diabo vai fugir da presença de Cristo em mim. Sendo assim, ele pode bloquear o Portão Dourado, pode colocar cemitério na frente, pode fazer os ataques que, em seu desespero, ele vai fazer. Maior é o que habita em nós!

Minha oração é que neste dia, em cada palavra, gesto e decisão, eu e você possamos nos submeter a Deus e, assim, resistir ao Diabo. Que este seja um dia de vitória espiritual no Senhor Jesus!

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Daniel Lima (D.Min., Fuller Theological Seminary) serviu como pastor em igrejas locais por mais de 25 anos. Também formado em psicologia com mestrado em educação cristã, Daniel foi diretor acadêmico do Seminário Bíblico Palavra da Vida (SBPV) por cinco anos. É autor, preletor e tem exercido um ministério na formação e mentoreamento de pastores. Casado com Ana Paula há mais de 30 anos, tem quatro filhos, dois netos e vive no Rio Grande do Sul desde 1995. Ele estará presente no 25º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Éfeso, Turquia (Quarta-feira, 31 de maio)
Éfeso, Turquia (Quarta-feira, 31 de maio)
Daniel Lima
Capadócia, Turquia (Sexta-feira, 02 de junho)
Capadócia, Turquia (Sexta-feira, 02 de junho)
Daniel Lima
Jerusalém no Olho do Furacão
Jerusalém no Olho do Furacão
Equipe Chamada
Galileia, Israel (Sábado, 10 de junho)
Galileia, Israel (Sábado, 10 de junho)
Daniel Lima
Islã Significa Submissão
Islã Significa Submissão
Porque a esquerda não consegue entender o islamismo
Porque a esquerda não consegue entender o islamismo
Daniel Greenfield
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

A Cronologia do Fim dos Tempos

R$43,90

Manual de Escatologia Chamada

R$79,90

Atos

R$119,90

Liderando Mulheres em Conflito

R$39,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes