Dominando a língua (Parte 2)

Norbert Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

A Bíblia afirma que a nossa língua é “um mundo de iniquidade” e que ela “contamina a pessoa por inteiro... Com a língua bendizemos o Senhor e Pai e com ela amaldiçoamos os homens, feitos à semelhança de Deus” (Tiago 3.6,9).

Quando o profeta Isaías viu a glória do Senhor, ele imediatamente se conscientizou de que seus lábios eram impuros: “No ano em que o rei Uzias morreu, eu vi o Senhor assentado num trono alto e exaltado, e a aba de sua veste enchia o templo. Então gritei: Ai de mim! Estou perdido! Pois sou um homem de lábios impuros e vivo no meio de um povo de lábios impuros; os meus olhos viram o Rei, o Senhor dos Exércitos!” (Isaías 6.1,5).

O rei Davi também sabia que palavras expressas impensadamente poderiam causar muito sofrimento. Por isso ele orou: “Coloca, Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta de meus lábios. Não permitas que o meu coração se volte para o mal...” (Salmo 141.3-4). Numa tradução mais livre: “Senhor, vigie a minha língua, coloca um guarda à porta dos meus lábios! Não permita que eu siga minhas tendências para que eu não fale mal nenhum e não cometa nenhuma ofensa...”.

Assinante Plus

Por que as pessoas mentem? Porque há falsidade em seus corações: “O perverso não tem caráter. Anda de um lado para o outro dizendo coisas maldosas... tem no coração o propósito de enganar; planeja sempre o mal e semeia discórdia” (Provérbios 6.12-14).

Hoje ninguém mais precisa morrer por causa de mentiras, difamações, comentários maldosos, exageros ou minimizações. A graça de Jesus está acima da lei.

O que devemos vigiar em nossa língua?

Devemos vigiar e preservar nossa língua em principalmente três áreas:

  1. Mentira. Já no livro de Êxodo consta: “Não se envolva em falsas acusações...” (Êxodo 23.7). E no Novo Testamento somos exortados: “Portanto, cada um de vocês deve abandonar a mentira e falar a verdade ao seu próximo, pois todos somos membros de um mesmo corpo” (Efésios 4.25). Ou seja, ninguém deve desconsiderar uma mentira – ela deve ser confrontada. Uma meia verdade é uma mentira inteira. Em Apocalipse consta inconfundivelmente que os mentirosos não entrarão no céu e que seu lugar será no lago de fogo (ver Apocalipse 21.8,27).

  2. Difamação e comentários maldosos. Com quanta rapidez conseguimos prejudicar uma outra pessoa por meio de palavras! Por isso não podemos relevar a difamação e os comentários maldosos; pelo contrário, eles estão entre o que há de mais indecente e grave. Sobre isso, lemos no Salmo 15.1-4: “Senhor, quem habitará no teu santuário? Quem poderá morar no teu santo monte? Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo; que de coração fala a verdade e não usa a língua para difamar; que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo; que rejeita quem merece desprezo, mas honra os que temem o Senhor; que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado” (Salmo 15.1-4).

  3. Exagerar ou minimizar. Com quanta facilidade exageramos quando se trata de nossas boas ações; mas, ao falarmos algo de bom sobre outra pessoa, tendemos antes a diminuir do que aumentar. Por isso o salmista orou, como já lemos: “Coloca, Senhor, uma guarda à minha boca; vigia a porta de meus lábios. Não permitas que o meu coração se volte para o mal...” Salmo 141.3-4).

Perdão por meio da confissão de culpa

Após a conquista de Jericó, Acã tomou para si algo indevidamente e, por isso, Israel inteiro sofreu, e o pecado foi posteriormente revelado. No entanto, mesmo que o culpado já havia sido revelado, Josué disse a Acã: “Meu filho, para a glória do Senhor, o Deus de Israel, diga a verdade. Conte-me o que você fez; não me esconda nada”. (Josué 7.19). Acã respondeu: “É verdade que pequei contra o Senhor, o Deus de Israel. O que fiz foi o seguinte...” (verso 20). De acordo com a lei, Acã foi morto por causa do seu delito.

Hoje ninguém mais precisa morrer por causa de mentiras, difamações, comentários maldosos, exageros ou minimizações. A graça de Jesus está acima da lei. No entanto, devemos sempre confessar os nossos pecados: “Se confessarmos os nossos pecados, ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça” (1João 1.9).

Série Dominando a Língua

  1. Dominando a língua (Parte 1)
  2. Dominando a língua (Parte 2)

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Norbert Lieth nasceu em 1955 na Alemanha, sendo missionário na América do Sul entre 1978 e 1985. Casado, tem 4 filhas. Hoje faz parte da liderança da Chamada da Meia-Noite em sua sede, na Suíça. O ponto central de seu ministério é a palavra profética, sendo autor de diversos livros e conferencista internacional. Ele estará presente no 22º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Desastre nuclear ou pecado - o que é mais perigoso?
Desastre nuclear ou pecado - o que é mais perigoso?
Norbert Lieth
Quanto tempo me resta?
Quanto tempo me resta?
Daniel Lima
O Mundo: Um Reino de Escuridão
O Mundo: Um Reino de Escuridão
William MacDonald
Vivendo no mundo sem ser do mundo
Vivendo no mundo sem ser do mundo
Daniel Lima
Esperança
Esperança
Samuel Rindlisbacher
Amnésia Espiritual
Amnésia Espiritual
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

R$59,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes