Como o silêncio fortalece nossa fé

Daniel Lima

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Vivemos tempos em que toda convicção é questionada. Desde sexo ou gênero até posições políticas e certamente posições teológicas. É triste perceber como a polarização tem gerado posições mais radicais e não mais racionais. Em meio a essa cacofonia de opiniões e questionamentos, a Bíblia soa radical e “fora de época”. Jesus afirma: “Eu sou o caminho, a verdade e a vida. Ninguém vem ao Pai, a não ser por mim” (João 14.6). Ele não diz que pode ser uma opção ou uma alternativa, mas afirma categoricamente que é “o” caminho, “a” verdade e “a” vida.

Essa certeza em tempos de dúvida é algo raro. E nós precisamos de certezas. Precisamos de rumos ou fundamentos que podem ser questionados, mas que resistem, que respondem aos questionamentos e às dúvidas. O apóstolo Paulo faz uma afirmação em Romanos 8.38-39 com esse mesmo tom de convicção:

Pois estou convencido de que nem morte nem vida, nem anjos nem demônios, nem o presente nem o futuro, nem quaisquer poderes, nem altura nem profundidade, nem qualquer outra coisa na criação será capaz de nos separar do amor de Deus que está em Cristo Jesus, nosso Senhor.

A palavra para “convencido” é a mesma para “crer”. Paulo tinha uma convicção muito forte, uma convicção que era o alicerce de seu modo de viver. Uma convicção que o fez continuar mesmo após naufrágios, apedrejamentos e açoites. Como desenvolver uma fé assim? Como alimentar uma fé assim? Paulo mesmo nos dá uma importante pista um pouco adiante na mesma carta: “Consequentemente, a fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (Romanos 10.17).

É triste perceber como a polarização tem gerado posições mais radicais e não mais racionais.

Repare na sequência apresentada. Fé vem por ouvir a palavra de Cristo. Podemos concluir que, em um mundo de confusão, precisamos ouvir a palavra e Cristo para desenvolver e alimentar nossa fé. Mas, o que significa ouvir a palavra de Cristo. Certamente inclui ouvir a Bíblia, mas não se limita a ligar uma gravação do texto bíblico. Precisamos realmente ouvir. Precisamos calar as demais “vozes” em nossa mente e prestar atenção à voz, à palavra de Cristo. Uma das primeiras estratégias para isso é guardarmos o silêncio.

Não me refiro simplesmente ao silêncio exterior, muito embora este ajude a nos concentrarmos. Me refiro também a cultivar um silêncio interior. O caos e a multiplicidade de opiniões e vozes não existe apenas fora de nós, mas também em nossa mente. Por isso talvez precisamos sempre estar cercados de ruído, de algum som, de algum barulho.

Assinante Plus

Deixe-me apresentar pelo menos três passagens que nos estimulam a buscar ouvir a Deus no silêncio:

  1. Elias (1Reis 19.9-13). Ao fugir do caos e das ameaças que o cercavam, Elias perdeu a confiança. Ele precisava ouvir a Deus para que sua fé fosse renovada. Após uma longa jornada, ele está escondido em uma caverna e Deus o chama para fora, pois deseja falar com ele. Neste momento passa um vento destruidor, que derruba pedras; logo depois um terremoto e, por fim, um fogo. Mas Deus não estava em nenhum desses fenômenos. Deus se apresenta por meio de uma leve brisa. Nesse momento Elias sai da caverna e consegue ouvir a Deus.

  2. Israel (Salmos 46.10). O salmista descreve a aproximação de Deus por meio de eventos estrondosos. No entanto, no verso 10 a palavra de Deus é “Parem de lutar! Saibam que eu sou Deus!” A expressão “parem de lutar” já foi traduzida por “aquietem-se” ou “calem-se”. A agitação aqui refere-se mais à agitação de nosso coração que luta para se aquietar e esperar em Deus. Não será no agito de nossos corações que vamos ouvir a Deus e que nossa fé será fortalecida.

  3. Jesus (Marcos 1.35). Jesus desejava manter sua comunhão com o Pai. Para isso ele se retirava a um lugar deserto para ficar em silêncio diante do Pai. Muito embora sua comunhão com o Pai fosse perfeita, ele demonstrava a importância de se afastar e fazer cessar todo ruído para distinguir com clareza a voz de Deus.

Não será no agito de nossos corações que vamos ouvir a Deus e que nossa fé será fortalecida.

O silêncio fortalece nossa fé à medida que podemos ouvir a palavra de Cristo no nosso coração. Enquanto estamos agitados de um lado para outro, tentando resolver as coisas com nossas próprias forças, é quase certo que perderemos o que Deus quer nos falar. O próprio ato de acalmarmos nossos corações e ouvirmos a palavra salvadora e transformadora de Cristo faz com que nossa fé, nossa expectativa seja confirmada. Sim, nosso Deus quer falar conosco. Eu preciso me aquietar, diminuir as interrupções e acolher sua palavra. Minha oração é que cada um de nós aprenda a aquietar seu coração o suficiente para ouvir as preciosas palavras de Cristo.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Daniel Lima foi pastor de igreja local por mais de 25 anos. Formado em psicologia, mestre em educação cristã e doutor em formação de líderes no Fuller Theological Seminary, EUA. Daniel foi diretor acadêmico do Seminário Bíblico Palavra da Vida por 5 anos, é autor, preletor e tem exercido um ministério na formação e mentoreamento de pastores. Casado com Ana Paula há mais de 30 anos, tem 4 filhos, uma neta e vive no Rio Grande do Sul desde 1995.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Nele tudo subsiste
Nele tudo subsiste
Daniel Lima
Paz em meio ao caos!
Paz em meio ao caos!
Daniel Lima
Deus é um maníaco genocida?
Deus é um maníaco genocida?
Bobby Conway
Teologia e Humildade
Teologia e Humildade
Daniel Lima
Confiança em governantes: um novo paganismo?
Confiança em governantes: um novo paganismo?
Daniel Lima
O que vale a pena ser celebrado?
O que vale a pena ser celebrado?
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

R$59,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes