Autoridade e Autonomia

Daniel Lima

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Como humanidade, temos visto um crescente clamor por liderança. Seja no âmbito político internacional, seja no âmbito nacional, o fato é que faltam líderes com credibilidade. Por exemplo, em seu aclamado livro Sapiens, uma breve história da Humanidade, o professor israelense de história Yuval Harari faz a seguinte afirmação: 

Nos últimos anos, políticos irresponsáveis solaparam deliberadamente a confiança na ciência, nas instituições e na cooperação internacional. Como resultado, enfrentamos a crise atual sem líderes que possam inspirar, organizar e financiar uma resposta global coordenada.[1]

Eu tendo a concordar, muito embora minha esperança não esteja no surgimento de um líder humano. Segundo a Palavra, esse clamor por um líder humano é mais uma plataforma sendo preparada para o anticristo. Minha esperança está em Jesus Cristo retornando e inaugurando o reino milenar. Ao mesmo tempo, o fato de que temos uma profunda falta de liderança é um fato inegável. O que é curioso é que esta falta de liderança é um fruto direto de nossa condição humana.

Como cristãos, cremos que o evento da Queda, relatado em Gênesis 3, distorceu a própria natureza humana, separando-nos de nosso Criador. Ao olharmos com cuidado, a essência do pecado foi exatamente um desejo de rebelar-se contra a autoridade. Nos versos 4 e 5, lemos: “Então a serpente disse à mulher: ‘É certo que vocês não morrerão. Porque Deus sabe que, no dia em que dele comerem, os olhos de vocês se abrirão e, como Deus, vocês serão conhecedores do bem e do mal’”.

O fato de que temos uma profunda falta de liderança é um fato inegável. O que é curioso é que esta falta de liderança é um fruto direto de nossa condição humana.

O argumento é claro: (1) a serpente negou a autoridade de Deus, (2) depois questionou a honestidade de Deus e, por fim, (3) afirmou que você pode decidir o certo e o errado, você pode ser como ele. Você percebe como esses argumentos estão na raiz de todo pecado? Primeiro duvidamos de Deus, depois negamos sua autoridade e por fim afirmamos que nós mesmos vamos determinar nossa vida.

Assinante Plus

O problema é que temos então bilhões de pessoas tentando determinar o que é certo para si e, indiretamente, o que é certo para os outros. Mas sem um referencial absoluto, justo e bom, ficamos à mercê uns dos outros. Nesse jogo de quem determina o certo para quem, vence sempre o mais forte. Conta-se a história de que, antes da segunda guerra, quando o ministro do exterior francês tentou convencer Stalin a assinar um tratado de não agressão, ele afirmou que esse tratado seria muito bem-visto pelo então Papa Pio XII. Ao que Stalin perguntou: “Ah, o Papa! E quantas divisões militares ele tem?”. O mesmo raciocínio tem sido seguido em praticamente todos os conflitos militares na história da humanidade. Quando temos de decidir entre o certo e o errado, quem é mais forte decide a seu favor.

“Que todos estejam sujeitos às autoridades superiores. Porque não há autoridade que não proceda de Deus, e as autoridades que existem foram por ele instituídas.”

Nesse sentido, enquanto cristãos somos chamados a expressar nossa confiança em Deus, andando na contramão da humanidade. Ao invés de assumirmos a função de discernir entre o certo e o errado, somos chamados a nos submeter a Deus em primeiro lugar e às autoridades em decorrência dessa submissão. Acompanhe o raciocínio de Paulo em Romanos 13.1: “Que todos estejam sujeitos às autoridades superiores. Porque não há autoridade que não proceda de Deus, e as autoridades que existem foram por ele instituídas”. 

Somos chamados a nos submetermos, não porque a autoridade é boa e justa, mas porque Deus é quem estabeleceu toda autoridade. Isso não significa concordar com uma autoridade injusta, ou ímpia. Mas significa que, em tudo que não contraria a explícita autoridade de Deus, nós devemos nos submeter. Destaco a explícita vontade de Deus pois vejo cristãos dando-se o direito à insubmissão quando discordam de planos ou políticas públicas. A questão não é se gostamos, concordamos ou mesmo temos a mesma perspectiva política, mas se a autoridade está me ordenando a desobedecer a Deus diretamente. É bom destacar também que Paulo estava escrevendo enquanto debaixo do governo do imperador Nero, um dos governantes mais corruptos, cruéis e desumanos em uma longa lista de imperadores cruéis.

Minha oração é que eu e você possamos descansar no fato de que, apesar da falta de líderes dignos, do aparente caos e das estratégias destrutivas do usurpador (Satanás), nós esperamos um líder justo, poderoso e bondoso. Maranata, vem Senhor Jesus!

 

Nota

  1. Hamilton Varela, “O custo da falta de lideranças”, Gazeta do Povo, 25. mar. 2021. Disponível em: https://www.gazetadopovo.com.br/opiniao/artigos/o-custo-da-falta-de-liderancas/.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Daniel Lima foi pastor de igreja local por mais de 25 anos. Formado em psicologia, mestre em educação cristã e doutor em formação de líderes no Fuller Theological Seminary, EUA. Daniel foi diretor acadêmico do Seminário Bíblico Palavra da Vida por 5 anos, é autor, preletor e tem exercido um ministério na formação e mentoreamento de pastores. Casado com Ana Paula há mais de 30 anos, tem 4 filhos, uma neta e vive no Rio Grande do Sul desde 1995.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Dores secretas
Dores secretas
Daniel Lima
Globalismo Versus Nacionalismo
Globalismo Versus Nacionalismo
Scott Huckaby
Paz em meio ao caos!
Paz em meio ao caos!
Daniel Lima
Vida Disciplinada
Vida Disciplinada
Daniel Lima
Onde ponho minha esperança?
Onde ponho minha esperança?
Daniel Lima
Formação Espiritual: À Imagem de Cristo
Formação Espiritual: À Imagem de Cristo
Daniel Lima
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

Provérbios

R$32,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

O Reino Vindouro

R$59,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes