AMOR, CONSOLO e ESPERANÇA nos distúrbios dos nossos dias

Wim Malgo

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Em Apocalipse 5, João viu na mão de Deus o rolo com sete selos, um testamento do plano de redenção de Deus para este mundo. Contudo, não havia ninguém digno de abri-lo. E agora?

João já tinha passado por muitas experiências: ele havia caminhado por toda parte com o Senhor Jesus, ouviu suas pregações e viu seus maravilhosos feitos. Mais tarde, ele, que testifica várias vezes que o Senhor o amava, foi o único que se manteve presente junto à cruz e viu o Salvador que ele amava morrer na cruz como Cordeiro de Deus (cf. João 19.26). João tinha visto como Jesus reconciliou o mundo com Deus, viu os sinais que abalaram a terra e não fugiu quando o sol perdeu o seu brilho. Também ouviu o brado de Jesus na cruz: “Está consumado!”. Foi também testemunha do fato de que Jesus ressuscitara dos mortos, e estava presente quando Jesus subiu do monte das Oliveiras para o céu 40 dias após sua ressurreição. Também ouviu quando o ressurreto disse: “Foi-me dada toda a autoridade nos céus e na terra” (Mateus 28.18).

Agora, porém, ele testemunha a assustadora cena de que por enquanto não havia ninguém digno de abrir o livro, rompendo seus selos. É como se a continuação da história da redenção fosse bloqueada porque ninguém nos céus, na terra e debaixo da terra era digno de abrir o testamento e efetivar o maravilhoso legado de Deus e do Cordeiro. Ninguém? Ninguém além do próprio Cordeiro! Porque agora se aproxima um dos 24 anciãos que cercam o trono de Deus e diz a João: “Não chore! Eis que o Leão da tribo de Judá, a Raiz de Davi, venceu para abrir o livro e os seus sete selos” (Apocalipse 5.5).

Por que aquele ancião precisa consolar o vidente João que, afinal, sabia que Jesus vencera? Porque João fez o que nós também tão facilmente fazemos. Ele desviara o olhar da vitória do Cordeiro. A consequência disso é sempre desamparo e lágrimas. Quantas vezes envergonhamos o nosso Senhor quando choramos, nos abatemos e resignamos, quando ele conquistou uma vitória tão grande e maravilhosa! “Não chore!” Em outras palavras: “Não há motivo para isso!”.

João fez o que nós também tão facilmente fazemos: desviara o olhar da vitória do Cordeiro.

Chama atenção que aquele ancião não leva em conta a pessoa de João e seu vínculo com o Senhor Jesus, repreendendo-o com algo como: “Você viu tudo, você deveria saber que ele venceu!”. Não, ele só fala do Senhor (verso 5): “Eis que. . . venceu”. O bloqueio, o fato de ninguém ser digno de abrir o livro, fez João perder o Vencedor de vista.

Você também anda desanimado e abatido? Então o Senhor fala por meio da sua Palavra: “Não chore!” – “Tenham ânimo! Eu venci o mundo”.

Assinatura Digital

“Eis que o Leão da tribo de Judá... venceu.” O leão é o rei – Jesus Cristo é o Rei de todos os reis e é da tribo de Judá. Neste contexto é muito significativo que, já séculos antes, Jacó (Israel) designou, pouco antes de morrer, Judá como “leão novo”. Quando estava para morrer, ele mandou chamar todos os seus filhos para abençoá-los e proferir profecias a respeito deles. Quando chegou a vez do seu quarto filho, Judá, Jacó olha para longe com seus olhos quase cegos e diz: “Judá é um leão novo. Você vem subindo, filho meu, depois de matar a presa. Como um leão, ele se assenta; e deita-se como uma leoa; quem tem coragem de acordá-lo? O cetro não se apartará de Judá, nem o bastão de comando de seus descendentes, até que venha aquele a quem ele pertence, e a ele as nações obedecerão” (Gênesis 49.9-10). O herói da tribo de Judá – este é o nosso Senhor Jesus Cristo!

“A Raiz de Davi.” A raiz do reino eterno de Davi venceu. Concretamente, isto significa que tudo o que o primeiro Adão perdeu por sua desobediência – a vida eterna, a comunhão com Deus, o paraíso – o último Adão, Jesus Cristo, reconquistou graças à sua obediência. Ele foi obediente até a morte, e morte de cruz. Isso liberou uma herança para aqueles que esperavam por isso (cf. Hebreus 9.15-18).

O Filho de Deus veio ao mundo e levou embora a causa da perda da herança eterna – o pecado. “Vejam! É o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1.29). Jesus morreu na cruz do Calvário. Ele baixou sua cabeça e faleceu. Ali não está escrito: “Ele faleceu e inclinou sua cabeça”, porque ele entregou sua vida voluntariamente. Ninguém a tirou dele. Agora a herança está disponível porque o testador está morto. No entanto, vejam só: Jesus não permaneceu morto! Ele ressuscitou e vive! Assim, ele se torna o único herdeiro legítimo, e por isso ninguém além dele é digno de abrir o livro, o testamento.

Que maravilha! Por amor a nós, ele sofreu a morte resultante do nosso pecado, liberando assim a herança para a sua descendência; depois ele ressuscitou da morte, e então aconteceu este fato único: ele mesmo era e é o herdeiro de tudo. Romanos 8.17 diz: “Se somos filhos, então somos herdeiros; herdeiros de Deus e co-herdeiros com Cristo”.

Agora João vê o vencedor, o grande herói: “Depois vi um Cordeiro, que parecia ter estado morto, em pé, no centro do trono, cercado pelos quatro seres viventes e pelos anciãos. Ele tinha sete chifres e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra. Ele se aproximou e recebeu o livro...” (Apocalipse 5.6-7).

Você também anda desanimado e abatido? Então o Senhor fala por meio da sua Palavra: “Não chore!” – “Tenham ânimo! Eu venci o mundo”.

João não vê o Leão, mas o Cordeiro. Que contraste entre leão e cordeiro! O leão é soberano; o cordeiro é desamparado e fraco. O enorme paradoxo sobre o qual repousa a redenção e toda a igreja – tudo o que o Novo Testamento liga à palavra “cruz” – é revelado aqui ao apóstolo João de forma nova e mais profunda do que nunca: o Leão como Cordeiro, o Rei dos reis, o Príncipe da Vida como oferta de sacrifício.

Onde está o Cordeiro? Numa posição bem central. É preciso atentar para o termo “no centro” (vide acima). Jesus Cristo é o centro.

Quando, porém, João vê o Cordeiro “que parecia ter estado morto”, isso aponta para a validade eterna da Redenção. O efeito do sangue que Jesus derramou não termina nunca (cf. Hebreus 9.12). E porque nele se executou a sentença sobre o pecado de todo o mundo, ele também é o único digno de julgar este mundo inimigo da cruz, que se posicionou fora da sua obra. Assim, vemos aqui, por intermédio dos olhos de João, o Cordeiro morto, mas em poder e glória, porque ali diz: “Ele tinha sete chifres... sete espíritos de Deus enviados a toda a terra”. Os sete chifres significam poder e uma força que tudo vence.

Curiosamente usa-se aqui para “cordeiro” a palavra grega arnios, que denota encanto e mansidão. Em contraste a isso, o Novo Testamento costuma usar o termo amnos. Os sete chifres revelam a essência do Cordeiro em força e poder divinos. Sete é o número divino da completude. Paulo diz: “... Cristo é o poder de Deus e a sabedoria de Deus” (1Coríntios 1.24). Portanto, não se trata de um poder mecânico, mas divino.

“... e sete olhos, que são os sete espíritos de Deus enviados a toda a terra” (Apocalipse 5.6). De que modo maravilhoso se revela aqui a plenitude da divindade! Foi desta forma que Isaías viu Deus 800 anos antes. A profecia sobre os sete espíritos está em Isaías 11.1-2: “Um ramo surgirá do tronco de Jessé, e das suas raízes brotará um renovo. O Espírito do Senhor repousará sobre ele, o Espírito que dá sabedoria e entendimento, o Espírito que traz conselho e poder, o Espírito que dá conhecimento e temor do Senhor”. Esses sete espíritos de Deus repousam sobre o ramo que brota da raiz de Davi. Os sete olhos de Deus, que são os sete espíritos de Deus, foram “enviados a toda a terra”. O Cordeiro perpassa o mundo inteiro.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Wim Malgo (1922-1992) nasceu em Maassluis, Holanda. Formou-se no Instituto Bíblico Beatenberg, na Suíça. Fundou a Obra Missionária Chamada da Meia-Noite na Suíça em 1955. Autor de mais de 40 livros, durante décadas suas mensagens bíblicas, proféticas e de santificação, profundas e atuais, transmitiram uma visão clara do plano de Deus e ajudaram inúmeras pessoas em sua vida de fé.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

“É Sempre em Breve”
“É Sempre em Breve”
Mark Hitchcock
O sol da justiça
O sol da justiça
Norbert Lieth
Jesus é Suficiente
Jesus é Suficiente
William MacDonald
Muito além de apenas viver um pouco mais!
Muito além de apenas viver um pouco mais!
Norbert Lieth
Uma Teologia do Descanso
Uma Teologia do Descanso
Norbert Lieth
O Senhor é o meu Pastor
O Senhor é o meu Pastor
Marcel Malgo
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

Como foi nos dias de Noé

de R$31,90
por R$27,12

1 e 2Tessalonicenses

de R$34,90
por R$29,67

Calendário de Israel 2021: Parede

de R$12,90
por R$9,90

Provérbios

de R$32,90
por R$27,97

Pense no seu Futuro

R$12,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes