A Fuga ao Egito e o Retorno a Nazaré

Thomas Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

A história do nascimento de Jesus Cristo não é encontrada em apenas um lugar da Bíblia. Como vimos semana passada, se tivéssemos apenas o evangelho de Lucas, teríamos de supor que, após a circuncisão e a apresentação do Senhor Jesus, a família teria voltado a Nazaré. Este é em princípio o primeiro cenário, que também nem se distingue tanto da outra possibilidade que veremos logo mais. Todavia, se de fato foi assim, a família de Jesus precisaria estar novamente em Belém em algum momento, porque foi ali que os magos homenagearam o Senhor – algo que ainda não havia acontecido até o momento.

Belém, Jerusalém e Nazaré

Antes de prosseguir por esta via, vamos examinar brevemente um segundo cenário, em que a família não teria ido a Nazaré, porém voltado a Belém. Neste caso, Lucas teria omitido os eventos correspondentes e o relato de Mateus teria ocorrido entre as declarações em Lucas 2.39: “Depois de terem feito tudo o que era exigido pela Lei do Senhor...”, e aí vem a grande lacuna – os eventos que Lucas omite – e só depois a narrativa prossegue dizendo: “... voltaram para a sua própria cidade, Nazaré, na Galileia”.

Isso significaria que Maria e José voltaram com seu filho (a essa altura com um mês e meio de idade) de Jerusalém para Belém, talvez até com a intenção de se estabelecerem por lá. Neste caso, os magos teriam aparecido pouco depois e ocorrido a cruel matança das crianças e a fuga para o Egito... e só depois Maria e José teriam voltado a Nazaré.

Mas vamos retornar à primeira ideia, ou seja, que a família se pôs a caminho de Jerusalém para Nazaré, a cidade em que Maria e José haviam morado originalmente e onde seus pais e parentes esperavam saudosos o seu retorno. Durante esse período, os magos do oriente ainda se encontram em sua longa viagem em direção a Jerusalém. A família de Jesus mora novamente em Nazaré, tendo-se passado pouco menos de dois meses desde o nascimento do Senhor. E agora Lucas 2.41 nos informa, quase à margem, um importante detalhe: “Todos os anos seus pais iam a Jerusalém para a festa da Páscoa”.

Assinante Plus

Maria e José eram muito tementes a Deus, de modo que anualmente eles se punham pelo menos uma vez a caminho para Jerusalém. Havia três festas de romaria por causa das quais os judeus piedosos se dirigiam a Jerusalém: a festa das cabanas, a festa das semanas e a Páscoa, mencionada aqui.

Maria e José eram muito tementes a Deus, de modo que anualmente eles se punham pelo menos uma vez a caminho para Jerusalém.

É verdade que Lucas 2.41 fala de uma Páscoa em que o Senhor Jesus já estava com doze anos de idade, mas é muito provável que a família também tenha ido a Jerusalém para festejar a Páscoa nos anos anteriores. Isso significaria então que, alguns meses depois do seu retorno a Nazaré, a família viajou novamente para Jerusalém, seja para a festa da Páscoa ou para alguma das outras festas. Além disso, a distância entre Nazaré e Jerusalém é de aproximadamente 100 quilômetros, de modo que não se trata de um passeio de um dia. E como Jerusalém provavelmente estaria bastante superlotada durante aquelas festas, é mais do que provável que Maria e José tenham se abrigado em Belém, mesmo porque José era natural de Belém e possivelmente podia se hospedar com parentes.

De acordo com esse cenário, a família de Jesus teria chegado novamente a Belém no contexto de uma visita por ocasião da Páscoa. Estes seriam então o oitavo e novo acontecimentos: o retorno a Nazaré e a nova ida a Belém e Jerusalém.

A visita dos magos e a fuga ao Egito

Com isso voltamos ao evangelho de Mateus e àquilo sobre o que Lucas se cala: “Então Herodes chamou os magos secretamente e informou-se com eles a respeito do tempo exato em que a estrela tinha aparecido. Enviou-os a Belém e disse: ‘Vão informar-se com exatidão sobre o menino. Logo que o encontrarem, avisem-me, para que eu também vá adorá-lo’. Depois de ouvirem o rei, eles seguiram o seu caminho, e a estrela que tinham visto no oriente foi adiante deles, até que finalmente parou sobre o lugar onde estava o menino” (Mateus 2.7-9).

Como já dissemos, não sabemos quando os magos se puseram a caminho nem quando chegaram a Jerusalém e a Belém. Podemos, porém, supor que tenham vindo da região da Babilônia e da Pérsia, o que significa que necessitaram de pelo menos meio ano para o trajeto até Jerusalém – isso combina tanto com a primeira possibilidade, segundo a qual a família de Jesus já morava em Belém porque José se estabelecera ali, como também com a segunda, segundo a qual, dependendo da festa a que compareceram, o Senhor Jesus tinha entre seis e dezoito meses de idade quando os magos finalmente chegaram a Belém. Este é o décimo passo: a visita dos magos.

De qualquer modo, porém, fica claro que por um lado o Senhor Jesus há tempo já não ocupava mais a manjedoura e, por outro, que ele poderá ter tido no máximo dois anos de idade quando os magos o visitaram: “Ao entrarem na casa, viram o menino com Maria, sua mãe...” (Mateus 2.11). Aqui nada se diz de alguma estrebaria, gruta ou manjedoura, nem de pastores de ovelhas. Os magos nunca estiveram junto à manjedoura nem se encontraram com os pastores de ovelhas. A essa altura, a família de Jesus morava numa casa. Além disso, o versículo 16 nos informa que Herodes decidiu matar todos os meninos de até dois anos de idade. Em razão desse acesso de fúria de Herodes, deu-se a fuga para o Egito.

Este é o décimo primeiro acontecimento: a fuga para o Egito. “Depois que partiram, um anjo do Senhor apareceu a José em sonho e lhe disse: ‘Levante-se, tome o menino e sua mãe, e fuja para o Egito. Fique lá até que eu diga a você, pois Herodes vai procurar o menino para matá-lo’. Então ele se levantou, tomou o menino e sua mãe durante a noite e partiu para o Egito, onde ficou até a morte de Herodes. E assim se cumpriu o que o Senhor tinha dito pelo profeta: ‘Do Egito chamei o meu filho’” (Mateus 2.13-15).

Assim como o nascimento virginal do Senhor Jesus fora predito, assim como se profetizou que o Salvador prometido viria da tribo de Judá e da família de Davi, e assim como o nascimento em Belém foi profetizado, assim também a estada no Egito foi um componente predeterminado no plano divido da salvação, porque Oseias 11.1 diz: “... do Egito chamei o meu filho”.

Como vemos, Deus não deixa nada por conta do acaso. Seus atos sempre visam a um objetivo. Isso também não é um encorajamento para nós, hoje? Podemos ter certeza de que não estamos à mercê do acaso ou do destino, nem sequer da arbitrariedade de quaisquer poderosos autonomeados, mas da bondade e do amor de Deus. Que felicidade para a pessoa que pode se considerar filho ou filha de Deus. É como Paulo disse: “... considero tudo como perda, comparado com a suprema grandeza do conhecimento de Cristo Jesus, meu Senhor” (Filipenses 3.8). Em outras palavras: “Sem Jesus não tenho nada!”, e, inversamente, vale a palavra de 2Coríntios 6.10c: “Nada tendo, mas possuindo tudo”.

Deus não deixa nada por conta do acaso. Seus atos sempre visam a um objetivo.

Voltemos ao Egito. Não se declara quanto tempo José permaneceu ali com sua família, mas a história nos informa que Herodes morreu pouco tempo depois, e com sua morte houve o retorno a Israel, de modo que a permanência no Egito não deve ter durado muito. E somente então é que o evangelho de Mateus relata que Maria e José se estabeleceram novamente em Nazaré. Este é o décimo segundo acontecimento: o retorno a Nazaré – seja pela primeira vez desde o nascimento do Senhor Jesus, possivelmente depois de aproximadamente dois anos, ou um novo retorno após um comparecimento intermediário à festa da Páscoa.

“Depois que Herodes morreu, um anjo do Senhor apareceu em sonho a José, no Egito, e disse: ‘Levante-se, tome o menino e sua mãe e vá para a terra de Israel, pois estão mortos os que procuravam tirar a vida do menino’. Ele se levantou, tomou o menino e sua mãe e foi para a terra de Israel. Mas, ao ouvir que Arquelau estava reinando na Judeia em lugar de seu pai Herodes, teve medo de ir para lá. Tendo sido avisado em sonho, retirou-se para a região da Galileia e foi viver numa cidade chamada Nazaré. Assim cumpriu-se o que fora dito pelos profetas: ‘Ele será chamado Nazareno’” (Mateus 2.19-23).

O enunciado do versículo 22 sugere fortemente que José nem queria ir a Nazaré com sua família, mas para Belém. Como consta ali, ele teve medo de ir à Judeia (e Belém ficava na Judeia) porque Arquelau reinava sobre a região. Só depois de orientado por um sonho é que José voltou a Nazaré. Como já dissemos, é bem provável que José quisesse ir morar em Belém ou que até já se tivesse estabelecido ali. Mas Deus, que anteriormente providenciou que Maria e José deixassem Nazaré e tivessem de ir a Belém, o mesmo Deus providenciou agora que Maria e José não fossem novamente a Belém, mas retornassem a Nazaré, porque isso também fazia parte do plano sagrado de Deus, conforme está escrito: “Assim cumpriu-se o que fora dito pelos profetas: ‘Ele será chamado Nazareno’”.

Retorno a Nazaré

E assim estamos de volta a Nazaré. De Nazaré a Nazaré. E vemos que a Palavra não se contradiz, mas constitui uma única revelação de Deus a nós. O plano sagrado de Deus perpassa a Bíblia toda como um fio vermelho. Nós é que constantemente nos contradizemos e partimos de premissas erradas. Deus, porém, não se contradiz. O que ele diz é claro, verdadeiro, preciso, único, soberano, onipotente e inabalável.

É fascinante observar como Deus atinge seu objetivo com sua palavra e seu plano.

É fascinante observar como Deus atinge seu objetivo com sua palavra e seu plano. Ele lança mão de um imperador romano para ordenar o recenseamento no momento certo, que acaba por fazer com que o Senhor Jesus nasça no momento certo e no lugar determinado. Ele utiliza um tirano vaidoso e aterrorizante como Herodes para assegurar que se cumprisse a palavra “do Egito chamei o meu Filho”. Deus usa um outro governador não menos cruel, chamado Arquelau, para providenciar que Jesus não crescesse em Belém, mas em Nazaré – para que ele seja chamado de nazareno.

Nada acontece por acaso, porque os céus e a terra passarão, mas a Palavra de Deus permanece para sempre (Mateus 24.35), e assim podemos encerrar com plena confiança na sua Palavra citando 2Tessalonicenses 2.13: “Mas nós devemos sempre dar graças a Deus por vocês, irmãos amados pelo Senhor, porque desde o princípio Deus os escolheu para serem salvos mediante a obra santificadora do Espírito e a fé na verdade”.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Thomas Lieth nasceu em 1965 na Alemanha. Casado com Patricia, tem dois filhos e uma filha. Thomas é colaborador e pregador, completando seus estudos teológicos na Bibelschule Neues Leben, em Wölmersen, Alemanha. É responsável pelo trabalho editorial da Chamada na Suíça.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Em busca de quem eu sou
Em busca de quem eu sou
Daniel Lima
A Singularidade da Palavra de Deus
A Singularidade da Palavra de Deus
David M. Levy
Nasce Um Rei!
Nasce Um Rei!
Marcel Malgo
Ressurreição: Fato ou Ficção?
Ressurreição: Fato ou Ficção?
Bobby Conway
Se Isso Não For Amor
Se Isso Não For Amor
Thomas C. Simcox
Tipologia Bíblica
Tipologia Bíblica
Thomas Ice
Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

O Reino Vindouro

de R$59,90
por R$35,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Provérbios

R$32,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes