Cinco pessoas com suas histórias: Marcos

Norbert Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Epafras, meu companheiro de prisão por causa de Cristo Jesus, envia saudações, assim como também Marcos, Aristarco, Demas e Lucas, meus cooperadores.” (Filemom 23-24)

Marcos é o autor do segundo evangelho. Provavelmente ele tenha registrado aquilo que Pedro lhe transmitia. Em certa passagem, Pedro o chama de “meu filho”, o que deve ser compreendido espiritualmente (1Pedro 5.13). Ele também se chamava João Marcos e era filho de Maria, em cuja casa se reunia a igreja primitiva e que, entre outros, orava pela libertação de Pedro (Atos 12.12). Provavelmente tenha sido ele o discípulo sobre o qual lemos no evangelho de Marcos: “Então todos o abandonaram e fugiram. Um jovem, vestindo apenas um lençol de linho, estava seguindo Jesus. Quando tentaram prendê-lo, ele fugiu nu, deixando o lençol para trás” (Marcos 14.50-52). Isso parece ser uma autoapresentação.

Barnabé era primo de João Marcos: “... envia saudações, bem como Marcos, primo de Barnabé” (Colossenses 4.10) e ele, provavelmente por isso, acompanhou Paulo e Barnabé em sua primeira viagem missionária até Perge: “Tendo terminado sua missão, Barnabé e Saulo voltaram de Jerusalém, levando consigo João, também chamado Marcos” (Atos 12.25). “Chegando em Salamina, proclamaram a palavra de Deus nas sinagogas judaicas. João estava com eles como auxiliar” (Atos 13.5).

Por algum motivo, posteriormente em Perge, João Marcos se separou de Paulo e Barnabé, retornando para Jerusalém: “De Pafos, Paulo e seus companheiros navegaram para Perge, na Panfília. João os deixou ali e voltou para Jerusalém” (Atos 13.13).

Barnabé pretendia levar Marcos junto na segunda viagem missionária, mas Paulo não concordou com o plano. Ele não desejava ter consigo um colaborador que pudesse abandonar a obra do Senhor de maneira tão vergonhosa como tinha feito. Em razão disso, houve uma divergência entre Barnabé e Paulo de modo que se separaram, e Barnabé tomou Marcos consigo na viagem para Chipre, enquanto Paulo, acompanhado de Silas, se dirigiu à Síria e Cilícia: “Algum tempo depois, Paulo disse a Barnabé: ‘Voltemos para visitar os irmãos em todas as cidades onde pregamos a palavra do Senhor, para ver como estão indo’. Barnabé queria levar João, também chamado Marcos. Mas Paulo não achava prudente levá-lo, pois ele, abandonando-os na Panfília, não permanecera com eles no trabalho. Tiveram um desentendimento tão sério que se separaram. Barnabé, levando consigo Marcos, navegou para Chipre, mas Paulo escolheu Silas e partiu, encomendado pelos irmãos à graça do Senhor. Passou, então, pela Síria e pela Cilícia, fortalecendo as igrejas” (Atos 15.36-41).

É provável que Barnabé, com sua maneira de aconselhar, trouxe Marcos de volta ao serviço, de modo que Paulo posteriormente aceitou-o novamente e reconciliou-se com ele. Assim, Marcos ainda se tornou um colaborador fiel e confiável: “Aristarco, meu companheiro de prisão, envia saudações, bem como Marcos, primo de Barnabé. Vocês receberam instruções a respeito de Marcos, e, se ele for visitá-los, recebam-no” (Colossenses 4.10). Pouco antes de sua morte, Paulo escreveu a respeito de Marcos em 2Timóteo 4.11: “Traga Marcos com você, porque ele me é útil para o ministério”.

Em suas observações sobre o evangelho de Marcos, o teólogo Hans Bruns escreveu:

Provavelmente Marcos ainda tenha posteriormente proclamado o evangelho de Jesus e conduzido muitas vidas a ele no Egito; parece que a igreja cristã de Alexandria foi fundada por ele, por volta do ano 49. Em Alexandria Marcos teria sido martirizado. A grandiosa catedral ali recebeu o seu nome.

A história de Marcos nos mostra como o Senhor transforma pessoas e novamente as aproveita em sua obra, de maneira que não existem “casos perdidos”. Para isso é importante que haja coerência (Paulo), aconselhamento (Barnabé) e submissão por parte do envolvido (Marcos).

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Norbert Lieth nasceu em 1955 na Alemanha, sendo missionário na América do Sul entre 1978 e 1985. Casado, tem 4 filhas. Hoje faz parte da liderança da Chamada da Meia-Noite em sua sede, na Suíça. O ponto central de seu ministério é a palavra profética, sendo autor de diversos livros e conferencista internacional. Ele estará presente no 25º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Como ouvir a Deus?
Como ouvir a Deus?
Daniel Lima
Qual é o Seu Modelo?
Qual é o Seu Modelo?
Daniel Lima
Como estar a sós com Deus fortalece nossa fé
Como estar a sós com Deus fortalece nossa fé
Daniel Lima
Formação Espiritual: Em favor dos outros
Formação Espiritual: Em favor dos outros
Daniel Lima
Desânimo: péssimo conselheiro
Desânimo: péssimo conselheiro
Daniel Lima
Consertar, trocar ou aguardar?
Consertar, trocar ou aguardar?
Daniel Lima
14 de Junho
Pérolas Diárias

14 de Junho

"Então ouvi uma como voz de numerosa multidão, como de muitas águas, e como de fortes trovões, dizendo: Aleluia! pois reina o Senhor nosso Deus, o Todo-Poderoso." Apocalipse 19.6