O comportamento das esposas: parte 1 (3.1-6)

Norbert Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Em 1Pedro 3.1-6, não se trata do comportamento nos cultos ou na vida da igreja, mas do comportamento nas relações matrimoniais e no círculo familiar íntimo. Para o casamento vale que as esposas “estejam sujeitas... a seu próprio marido”.

Devemos levar em conta que se trata do poder de testemunho do evangelho. As mulheres, por meio do comportamento de submissão, buscam ganhar seus maridos incrédulos para Jesus, sendo que essa é a única maneira prevista para tanto.

Versículos 1-2

“Igualmente vocês, esposas, estejam sujeitas, cada uma a seu próprio marido, para que, se ele ainda não obedece à palavra, seja ganho sem palavra alguma, por meio da conduta de sua esposa, ao observar o comportamento honesto e cheio de temor que vocês têm.”

Assinante Plus

Esses judeus viviam em um mundo pagão com suas práticas pagãs. Não era incomum que as esposas se convertiam, enquanto os maridos ainda continuavam incrédulos. Essa libertação por meio de Cristo, no entanto, não deveria levar a uma conduta autônoma. Por isso, Pedro exortou que as mulheres não se separassem de seus maridos, nem mesmo que alegassem determinados direitos, mas a se submeterem, servindo na prática de exemplo para o marido sem proferir palavras, com o objetivo de também ganhá-lo para Jesus. Não há poder de convencimento maior do que o de uma vida transformada e um bom exemplo.

Não há poder de convencimento maior do que o de uma vida transformada e um bom exemplo.

Essa afirmação é ao mesmo tempo animadora, pois fala de homens que se negam a crer na Palavra; não de ignorantes ou indiferentes, mas daqueles que se opõe conscientemente e assim são convictos opositores ao evangelho. No entanto, o texto nos mostra que não há caso sem esperanças, pois mesmo os homens mais obstinados e difíceis podem ser conquistados, mas o meio para tanto, no restrito ambiente familiar, não possui disputas verbais, discussões, argumentações de superioridade, discursos, tampouco adianta implorar, mas apenas basta uma boa atitude sem qualquer palavra.

Os estudiosos J. B. Nicholson e G. P. Waugh escrevem o seguinte sobre o versículo 2: “O marido não consegue, de sã consciência, negar constantemente a beleza da vida realmente agradável a Deus vivida por sua esposa”[1].

 

Nota

  1. B. Nicholson e G. P. Waugh, Was die Bibel lehrt: 1. Petrusbrief, 2. Petrusbrief. CV-Kommentarreihe Neues Testament, trad. Gerhard Giesler e Joachim Köhler (Dillenburg: Christliche Verlagsgesellschaft, 1991).

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Norbert Lieth nasceu em 1955 na Alemanha, sendo missionário na América do Sul entre 1978 e 1985. Casado, tem 4 filhas. Hoje faz parte da liderança da Chamada da Meia-Noite em sua sede, na Suíça. O ponto central de seu ministério é a palavra profética, sendo autor de diversos livros e conferencista internacional. Ele estará presente no 25º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

Exercendo Nossa Cidadania de Maneira Digna
Exercendo Nossa Cidadania de Maneira Digna
Daniel Lima
Formação Espiritual: À Imagem de Cristo
Formação Espiritual: À Imagem de Cristo
Daniel Lima
A Importância de uma Transformação Contínua
A Importância de uma Transformação Contínua
Daniel Lima
Atitude de servo
Atitude de servo
Daniel Lima
Nossa Herança Familiar
Nossa Herança Familiar
Daniel Lima
Desânimo: péssimo conselheiro
Desânimo: péssimo conselheiro
Daniel Lima
24 de Junho
Pérolas Diárias

24 de Junho

"Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora que vai brilhando mais e mais até ser dia perfeito." Provérbios 4.18

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

A Cronologia do Fim dos Tempos

R$43,90

Manual de Escatologia Chamada

R$79,90

Atos

R$119,90

Liderando Mulheres em Conflito

R$39,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes