Como superar o sofrimento: parte 3 (4.12-19)

Norbert Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Mediante sobriedade

“Porque chegou o tempo de começar o juízo pela casa de Deus; e, se começa por nós, qual será o fim daqueles que não obedecem ao evangelho de Deus? E, ‘se é com dificuldade que o justo é salvo, que será do ímpio e do pecador?’” (versículos 17-18).

No versículo 18, Pedro cita Provérbios 11.31: “Se o justo é punido na terra, quanto mais o ímpio e o pecador!”. A Septuaginta (tradução grega do AT) diz: “Se o justo é salvo arduamente, onde se apresentará o ímpio e pecador?”. Os judeus deduziam deste versículo que os justos sofrem nesta vida, mas os ímpios e pecadores no mundo futuro.

Em primeiro lugar, é preciso novamente olhar o contexto histórico; há aqui uma espécie de jogo de palavras. Se, como casa espiritual, os cristãos já precisavam passar pelo julgamento que lhes sobreveio por meio dos romanos, como será o fim da casa em Jerusalém? Eram justamente os líderes religiosos em torno da casa em Jerusalém, do templo, que rejeitavam rigorosamente a mensagem do evangelho. Rebelavam-se contra os apóstolos e recusavam-se a crer no evangelho de Deus. Levaria só mais alguns poucos anos até a destruição de Jerusalém e do templo (em 70 d.C. pelos mesmos romanos). Esse seria o destino dos judeus que rejeitaram o evangelho. Se os crentes já não foram poupados, quanto menos os descrentes?

Do ponto de vista profético, essa declaração também adquire significado para a futura grande tribulação. Quando pessoas (judeus) convertidas lerem tal frase – “chegou o tempo de começar o juízo pela casa de Deus; e, se começa por nós...” –, poderão aplicá-la ao tempo delas, uma vez que aquele já será literalmente um tempo de juízo. Embora sejam salvas, muitas terminarão como mártires, enquanto outras, aquelas que seguirem o sistema anticristão, se perderão.

O crente só é salvo graças à obra de Jesus, pela graça, e não em função de obras próprias.

Aplicado a nós, isso significa que, se o cristão já precisa sofrer e ser disciplinado, quanto mais sofrerão e serão punidos aqueles que não crerem no evangelho? O sofrimento dos cristãos se dá por amor a Jesus, o sofrimento dos desobedientes se deve ao pecado. O sofrimento dos cristãos é limitado ao tempo presente; o dos descrentes, à eternidade.

Essa declaração também destaca a grandeza da salvação porque, se o crente só é salvo graças à obra de Jesus e por isso “com dificuldade”, ou seja, pela graça e não em função de obras próprias, então aqueles que não lançaram mão da justificação em Jesus não terão a menor chance.

Com confiança

“Por isso, também os que sofrem segundo a vontade de Deus entreguem a sua alma ao fiel Criador, na prática do bem” (versículo 19).

O pior que pode acontecer em meio ao sofrimento é abandonarmos a confiança. Certa vez, li o testemunho de como uma pessoa que havia estudado teologia começou aos poucos a duvidar de Deus e da sua atuação. Simplesmente havia muita coisa que não entendia; por que Deus permitia tudo aquilo etc. Diante disso, essa pessoa interrompeu seus estudos e aprendeu uma outra profissão. Anos depois, percebeu que a falta da proximidade de Deus é muito mais trágica que as perguntas que nem sempre são respondidas. Não conseguindo mais suportar a vida sem Deus, encontrou o caminho de volta e retomou o estudo de teologia.

Assinante Plus

Pedro explicou nos versículos precedentes que não há motivo para desistir. O sofrimento não é sinal da ausência de Deus, mas justamente um sinal da sua presença: tudo ocorre com sua permissão, e em meio a isso ele nos vigia amorosamente.

O pior que pode acontecer em meio ao sofrimento é abandonarmos a confiança.

Para enfatizar, Pedro aponta “ao fiel Criador”. Deus criou e organizou o mundo, tendo-o preservado e guardado até hoje através de todas as tormentas. Com isso Deus prova sua fidelidade; se ele domina os poderes da natureza, ele também haverá de nos guardar em nossas dificuldades e aflições.

Todo aquele que sofre pode se entregar confiantemente ao Senhor e com isso praticar o bem “para que a fé e a esperança de vocês estejam em Deus” (1Pedro 1.21).

Podemos imaginar os efeitos de não duvidarmos de Deus no sofrimento, mas de confiarmos nele, continuando a praticar o bem. Por exemplo, um cônjuge sofrendo por causa do outro, um estudante sendo maltratado pelos colegas, um empregado desprezado e evitado no local de trabalho, uma criança xingada por seus pais, cristãos perseguidos em suas comunidades... Pedro insiste em apelar à prática do bem porque este é o meio de conquistar ainda outros para Jesus e de ser um testemunho a favor de Deus.

Boas obras em nome de Jesus são a proclamação mais clara: “Tendo conduta exemplar no meio dos gentios, para que, quando eles os acusarem de malfeitores, observando as boas obras que vocês praticam, glorifiquem a Deus no dia da visitação” (1Pedro 2.12).

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Norbert Lieth nasceu em 1955 na Alemanha, sendo missionário na América do Sul entre 1978 e 1985. Casado, tem 4 filhas. Hoje faz parte da liderança da Chamada da Meia-Noite em sua sede, na Suíça. O ponto central de seu ministério é a palavra profética, sendo autor de diversos livros e conferencista internacional. Ele estará presente no 25º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Leia também

Filipos, Grécia (Domingo, 28 de maio)
Filipos, Grécia (Domingo, 28 de maio)
Daniel Lima
Como Reagir ao Ódio sem Ódio?
Como Reagir ao Ódio sem Ódio?
Daniel Lima
Como reagir a um rei louco?
Como reagir a um rei louco?
Daniel Lima
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Mantendo um ritmo devocional em um mundo alucinado
Daniel Lima
Equilíbrio ou ritmo de vida?
Equilíbrio ou ritmo de vida?
Daniel Lima
Deus não Rejeita a Quem O Invoca
Deus não Rejeita a Quem O Invoca
Norbert Lieth
27 de Maio
Pérolas Diárias

27 de Maio

"Disse-lhe Jesus: Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido?" João 14.9

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

A Cronologia do Fim dos Tempos

R$43,90

Manual de Escatologia Chamada

R$79,90

Atos

R$119,90

Liderando Mulheres em Conflito

R$39,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes