A conduta geral do cristão (2.11)

Norbert Lieth

Compartilhe:  Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Em 1Pedro 2.11, lemos: “Amados, peço a vocês, como peregrinos e forasteiros que são, que se abstenham das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma”.

“Amados, peço a vocês, como peregrinos e forasteiros que são”

Já havíamos lido no versículo 9 que, por meio da fé em Jesus Cristo, nos tornamos um “povo de propriedade exclusiva de Deus”. No versículo 10 constatamos que, com isso, a igreja se tornou um povo completamente novo, que nunca existiu antes.

Por isso, Pedro também trata os crentes como “amados”. Fomos retirados do amor ao mundo; agora pertencemos a um Pai celestial que nos ama e nos tornou propriedade sua. Isso, porém, também significa que não somos mais prisioneiros dos dominadores deste mundo (Efésios 6.12). Tornamo-nos emigrantes. Filipenses 3.20 enfatiza que nossa cidadania está no céu, e Colossenses 1.13 confirma que Deus nos salvou do domínio das trevas e nos transpôs para o reino do seu Filho amado. Por isso, os cristãos são estrangeiros e não passam mais de hóspedes em uma sociedade hostil a Deus, encontrando-se aqui apenas de passagem.

Essa condição de estrangeiro que adquirimos verifica-se por toda parte. Os cristãos não são compreendidos, são caluniados, difamados, pressionados, expostos à zombaria e até à perseguição. No futuro, um remanescente judeu crente perceberá isso de forma particularmente intensa durante o período apocalíptico anticristão.

Como nos encontramos num mundo hostil a Deus, será de grande importância vivermos conscientes e de acordo com os princípios do “país” que é nossa verdadeira pátria.

Estrangeiros devem tratar de se integrar no país que os hospeda. Aos cristãos vale o contrário: eles não devem adaptar-se ao estilo de vida do mundo, embora sejam instados a cumprir as leis do Estado (versos 13-17).

Como, porém, nos encontramos num mundo hostil a Deus, será de grande importância vivermos conscientes e de acordo com os princípios do “país” que é nossa verdadeira pátria – e este é o céu, ou o reino de Deus. Afinal, somos embaixadores de Cristo (2Coríntios 5.20). Um embaixador representa no país em que vive a nação da qual ele provém. Nesse sentido, como amados de Deus, não devemos mais amar o mundo (1João 2.15-17).

“Que se abstenham das paixões carnais, que fazem guerra contra a alma”

Paixões carnais fazem parte do estilo de vida deste mundo, do qual o crente deve distanciar-se. Essas paixões caracterizam-se por egoísmo, exploração, instintos, falta de consideração e falsidade. Elas não se limitam à área da sexualidade, mas dizem respeito também a coisas como aquisições, objetivos, desejos exagerados, lucro material etc. As paixões carnais de toda espécie pressionam a vida do cristão como um exército inimigo guerreiro; são como uma matilha que se joga sobre nós.

Paulo escreve algo similar na carta aos Efésios: “... vocês foram instruídos a deixar de lado a velha natureza, que se corrompe segundo desejos enganosos, a se deixar renovar no espírito do entendimento de vocês, e a se revestir na nova natureza...” (4.22-24).

Para enfrentar paixões de todo tipo, temos de nos ocupar das coisas valiosas e espirituais provenientes de Deus.

Como podemos nos abster dos desejos enganosos? Paulo expõe a questão mais precisamente em Filipenses 4.8: “Finalmente, irmãos, tudo o que é verdadeiro, tudo o que é respeitável, tudo o que é justo, tudo o que é puro, tudo o que é amável, tudo o que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso o que ocupe o pensamento de vocês”.

Assinante Plus

A questão é: com o que alimentamos nossos pensamentos? Para enfrentar paixões de todo tipo, temos de nos ocupar das coisas valiosas e espirituais provenientes de Deus. Cabe substituir influências prejudiciais por matérias sadias. Seremos marcados por aquilo com que nos ocupamos, com os relacionamentos, as conversas, filmes, literatura, influências a que cedemos espaço. Trata-se de concentrar-se no que tem valor, na Palavra de Deus, na oração, em assuntos e objetivos espirituais, em relacionamentos e comunhão espirituais; em suma, naquilo enumerado acima.

Às vezes uma vida espiritual também permanece vazia por causa de prioridades erradas. Desperdiçam-se forças com coisas que lutam contra a alma e nos desgastam em vez de se suprir de força naquilo que provém de Deus e nos preenche.

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Norbert Lieth nasceu em 1955 na Alemanha, sendo missionário na América do Sul entre 1978 e 1985. Casado, tem 4 filhas. Hoje faz parte da liderança da Chamada da Meia-Noite em sua sede, na Suíça. O ponto central de seu ministério é a palavra profética, sendo autor de diversos livros e conferencista internacional. Ele estará presente no 22º Congresso Internacional Sobre a Palavra Profética, organizado pela Chamada.

Veja artigos do autor

Itens relacionados na livraria

Leia também

A Grande Mentira
A Grande Mentira
Daniel Lima
O papel do cristão como noiva
O papel do cristão como noiva
Jeff Kinley
Deus criou o mundo para aumentar sua própria glória?
Deus criou o mundo para aumentar sua própria glória?
Bobby Conway
Devo ser equilibrado ou centrado?
Devo ser equilibrado ou centrado?
Daniel Lima
Oportunidades perdidas
Oportunidades perdidas
Daniel Lima
Desculpas de um predador
Desculpas de um predador
Daniel Lima
FRUTO DO EVANGELHO
Boa Semente 2022

FRUTO DO EVANGELHO

Pela manhã semeia a tua semente, e à tarde não retires a tua mão, porque tu não sabes qual prosperará, se esta, se aquela. De novo gerados, não de semente corruptível, mas da incorruptível, pela palavra de Deus, viva, e que permanece para sempre. (Eclesiastes 11:6; 1 Pedro 1:23)

19 de Maio
Pérolas Diárias

19 de Maio

"Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte." Hebreus 11.5

Compartilhe:   Compartilhar no WhatsApp Compartilhar no Facebook

Destaques

Provérbios

R$32,90

1 e 2Tessalonicenses

R$34,90

Como foi nos dias de Noé

R$31,90

O Reino Vindouro

R$59,90

Receba o informativo da Chamada

Artigos Recentes