A credibilidade da ressurreição

Lothar Gassmann

Irmãos, quero lembrá-los do evangelho que preguei a vocês, o qual vocês receberam e no qual estão firmes... que Cristo morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras, foi sepultado e ressuscitou no terceiro dia, segundo as Escrituras, e apareceu a Pedro e depois aos Doze. Depois disso apareceu a mais de quinhentos irmãos de uma só vez, a maioria dos quais ainda vive, embora alguns já tenham adormecido. Depois apareceu a Tiago e, então, a todos os apóstolos; depois destes apareceu também a mim, como a um que nasceu fora de tempo.” (1Coríntios 15.1,3-8)

Você acredita que o homem esteve na Lua? Você não esteve presente nem viu pessoalmente. Mesmo assim, eu acho que você acredita nisso. Afinal, foi divulgado no jornal e na TV. No entanto, isso poderia ter sido uma tremenda trapaça, não é? Essas cenas da Lua, que foram mostradas como “provas”, não poderiam ser forjadas em um estúdio a exemplo dos modernos filmes de ficção científica? E, mesmo assim, você acredita nisso?

Resposta: é porque você confia. Porque há muitas pessoas que confirmam a chegada à Lua. É porque você acredita nessas muitas testemunhas e correspondentes. Permita-me agora dar um salto mais ousado: se você acredita nas testemunhas da chegada à Lua, por que, então, você não acredita nas testemunhas da ressurreição de Jesus Cristo? A ressurreição de Jesus Cristo dentre os mortos é um dos acontecimentos mais bem testemunhados da história mundial. Já lemos o que o apóstolo Paulo relata em 1Coríntios 15. Certamente não se consegue comprovar a ressurreição de Jesus por meio das inúmeras testemunhas que ele menciona, mas temos aí uma enorme base de confiabilidade sobre a qual podemos construir. Observe que Paulo escreveu: “... a maioria dos quais ainda vive”! Assim, quando os relatórios sobre a ressurreição foram escritos, ainda era possível procurar e consultar as testemunhas oculares! São algumas centenas de homens, além de um número não mencionado de mulheres que viram o Salvador ressurreto! Isso representa uma enorme base de credibilidade.

Sejamos gratos ao Senhor, que, por amor a nós, trilhou o caminho da cruz e venceu a morte:

De jubilosa gratidão seja para ti minha canção.
Ouça-a, Senhor! Desejo com ela te alegrar.
Receba a minha sincera e pura gratidão.
“Sou todo teu”, com ela eu quero declarar.

Graças, meu Deus, que eu vivo e que estou aqui!
Graças, meu Deus! Em gratidão me consagro a ti.
Graças, meu Deus! Com coração, mãos e boca
o teu amor aqui nesta terra proclamo.

Graças, mesmo quando agradecer não quero!
Graças também pelo que eu ainda não compreendo!
Graças, que para mim tens um objetivo
e que, também na dor, tua mão é meu sustento!

Grato sou a ti, meu Salvador, que me conduz à vida.
Grato sou, meu Soberano, que com justiça me governa.
Grato sou, és tudo para mim e sem ti não existe nada.
Grato sou, tu és amor. Ó Senhor, com ele me completa!

Compartilhe: 

Lothar Gassmann nasceu em 1958 na cidade alemã de Pforzheim. É pregador, professor, evangelista e publicista. Escreveu numerosos livros, artigos e canções na área teológica. Desde 2009, é colaborador do Serviço das Igrejas Cristãs (CGD, na sigla original) e editor da revista trimestral Der schmale Weg [O Caminho Estreito]. Completou seu doutorado em teologia em 1992, na Universidade de Tubinga, na Alemanha.

Veja artigos do autor

Todos os textos da série

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança