O Segredo: Lições da vida de Elias

Um testemunho triplo

Como lemos semana passada, Elias podia dar um testemunho poderoso porque estava diante de Deus: “... nem orvalho nem chuva haverá nestes anos, segundo a minha palavra” (1Reis 17.1, ARA [1]). Não se tratava apenas de uma maneira de se expressar, mas foi o que realmente aconteceu! E foi como resultado do seu testemunho. Houve uma recomendação para isso ser imitado? Ó não, pois Elias tinha uma missão específica. No entanto, deve ser imitado porque nós, crentes em Cristo, precisamos verificar se acontece algo em consequência de nosso testemunho. Isso é um sinal de que estamos diante do Senhor. Nós sempre somos testemunhas de Jesus: ou a favor ou contra ele. Então, o que precisa acontecer? As pessoas são obrigadas a tomar uma decisão de conversão? Não necessariamente, mas mesmo assim algo acontece em todos os casos. Jesus diz: “... serão minhas testemunhas...”, por isso um testemunho para Jesus nunca é dado em vão. Lembro-me de um personagem da Bíblia cujo testemunho resultou em algo especial, mesmo que não houvesse conversão de pessoas: Estêvão. O que aconteceu quando ele deu seu testemunho diante do Sinédrio? Quando ele estava com o rosto como o de um anjo e ousadamente testemunhou diante dos fariseus, “isso traspassou o coração deles” (diz literalmente uma versão alemã da Bíblia, em Atos 7.54). Isso é o essencial!

O motivo pelo qual hoje há tão poucas conversões ao cristianismo deve-se ao fato de que os cristãos de hoje não possuem mais um testemunho poderoso. E o seu testemunho não é poderoso porque eles não estão diante do Senhor. Se nós, que ainda temos filhos e familiares incrédulos, damos testemunho de Jesus, isso acontece com pleno poder? “... isso traspassou o coração deles.”

Sempre somos testemunhas de Jesus: ou a favor ou contra ele.

É isso que importa, e esse é o início de qualquer avivamento. Os fariseus chegaram até mesmo a tapar os ouvidos – lemos isso em Atos 7.57. Eles não aguentavam mais ouvi-lo. Ou se converteriam ou se afastariam. Era o que acontecia com o Senhor Jesus, pois ele era a grande testemunha. Junto dele havia pecadores que se quebrantavam, chorando e soluçando – lembro-me daquela mulher que lavou os pés dele com suas lágrimas – no entanto, outros se endureceram e se afastaram.

Em segundo lugar, Elias tinha um testemunho intransigente: “Elias dirigiu-se ao povo e disse: ‘Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no’. O povo, porém, nada respondeu” (1Reis 18.21). Podemos imaginar a situação, pois ela não estava fácil. Era o juízo de Deus no monte Carmelo. Estavam lá 400 sacerdotes de Baal, isto é, que serviam aos ídolos; também estavam presentes o ímpio rei Acabe e o povo religioso israelita – sim, este ainda era religioso – mas eles oscilavam e olhavam para os dois lados. Então chegou Elias. Ele era um homem que “nadava contra a correnteza”.

O que fez ele ao se apresentar perante esses milhares de milhares? Será que ele disse: “Queridos ouvintes, talvez seria melhor se vocês seguissem ao Senhor mais decididamente; vocês já são justos, mas...”? Não! Ousado e decidido, declarou: “Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro? Se o Senhor é Deus, sigam-no; mas, se Baal é Deus, sigam-no”. De onde ele trazia essa determinação, essa intransigência? Ele estava diante do Senhor!

Você sabe por que tantos crentes são indecisos e frouxos em seu testemunho? Porque eles mesmos vivem descompromissados e oscilam para um lado e para o outro. Ló era um desses homens. Lemos sobre o seu testemunho em Gênesis 19.14. Ele exortava seus genros: “Saiam imediatamente deste lugar, porque o Senhor está para destruir a cidade!”. No entanto, qual foi a reação deles? Lemos que eles achavam que ele estava brincando. Por quê? Porque esse homem já tinha sua vida compromissada e não estava diante do Senhor. Sodoma já havia penetrado em sua família. Ele flertava com o mundo. Esse é o problema em nossa época. Precisamos de homens como Elias, que têm um completo “sim” para Jesus Cristo.

A tragédia que descreve a vida de tantos crentes e de cristãos nominais pode ser resumida em uma palavra: incompleto. O Israel daquela época estava segmentado e estilhaçado, e o inimigo tinha poder sobre ele. Hoje o inimigo também tem poder sobre a igreja de Jesus, os cristãos. Sabe por quê? Porque no veredito escrito sobre a vida de muitos deles está a palavra devastadora: “incompleto”.

Precisamos de homens como Elias, que têm um completo “sim” para Jesus Cristo.

“Até quando vocês vão oscilar para um lado e para o outro?” Você certamente já deu um “sim” para Jesus e também é cristão; isso faz parte de ser uma pessoa decente. No entanto, o problema é que, ao lado do seu “sim” para Cristo, você também tem um “sim” para o mundo e para o pecado. Internamente você acaba se dividindo e por isso adquire uma personalidade dividida, a qual oscila entre duas opiniões. Desse modo o poder de Jesus não consegue se revelar. Talvez você se queixe de suas grandes derrotas e do sofrimento que não consegue vencer. Não há vitórias, e isso acontece somente porque você não tem um “sim completo” para Jesus Cristo. O Senhor se revela completamente somente para aqueles que se agarram totalmente a ele. “Pois os olhos do Senhor estão atentos sobre toda a terra para fortalecer aqueles que lhe dedicam totalmente o coração” (2Crônicas 16.9).

Se você ainda não for uma pessoa convertida, eu lhe digo: o seu problema consiste em oscilar para um lado e para o outro! Você tem um anseio pelo Senhor Jesus, um anseio pela salvação, mas você ainda retém uma certa reserva para si e esta acaba sempre sendo uma fatalidade para a pessoa. Essa oscilação entre dois lados acaba derrubando e transformando você num chamado meio-cristão. O Senhor Jesus falou: “Melhor seria que você fosse frio ou quente! Assim, porque você é morno, não é frio nem quente, estou a ponto de vomitá-lo da minha boca” (Apocalipse 3.15b-16).

O Juízo Final não será pior para um completamente incrédulo do que para alguém que oscilou entre os dois lados. Isso é algo muito sério! Eu reitero com veemência: metade para o Senhor e metade para o mundo significa totalmente para o Diabo. Atualmente vivemos em uma época séria, na época da meia-luz. Ó, como eu desejo que você se decida plenamente para Jesus!

O Juízo Final não será pior para um completamente incrédulo do que para alguém que oscilou entre os dois lados.

Além disso, o testemunho de Elias foi destemido. Após ter saído da presença de Acabe, não choveu durante alguns anos, e a terra secou. O povo teve fome (1Reis 18.2). O rei passou a odiar Elias e mandou procurá-lo, inclusivo no exterior (1Reis 18.10). Certo dia, Elias voltou inesperadamente. O primeiro a se encontrar com ele foi Obadias, um servo de Acabe. Elias disse a ele: “Vá dizer ao seu senhor: ‘Elias está aqui’” (1Reis 18.8). Obadias, na verdade, era crente, mas para ele essas palavras foram quase como um golpe. Ele relatou a Elias como Acabe mandara procurá-lo e como estava tomado de ódio por ele. No entanto, ao ouvir esses fatos ameaçadores, Elias imediatamente tomou uma decisão. – Para mim parece que, por um momento, ele também foi atingido por um temor humano, mas depois disso assumiu imediatamente seu posicionamento com fé, afirmando: “Tão certo como vive o Senhor dos Exércitos, em cuja presença estou, hoje mesmo me apresentarei ao rei Acabe” (1Reis 18.15, NVT[2]). Quando o medo quis dominá-lo momentaneamente, ele afirmou não estar diante desse Acabe, que teria poder para matá-lo, mas que estava diante do Senhor muito mais poderoso.

Então chegou Acabe. Quando este viu Elias, falou: “É você mesmo, perturbador de Israel?” (1Reis 18.17). O que Elias respondeu? Ele disse algo como: “Ó não, majestade, não foi bem isso o que eu quis dizer”? Não, ele respondeu: “Não causei problema algum a Israel... O senhor e sua família é que são os perturbadores, pois se recusaram a obedecer aos mandamentos do Senhor e, em vez disso, adoraram imagens de Baal” (verso 18, NVT). Ele foi muito corajoso!

Por que esse homem não teve medo? Afinal, ele não era uma pessoa como nós? Sim, mas ele estava diante do Senhor! O segredo da vitória sobre todo o medo humano é estar diante do Senhor. Você já sabe, talvez há muito tempo, que deveria confessar a Jesus, mas sente vergonha diante de seus colegas, de seus amigos, de seus familiares. O Senhor Jesus, no entanto, diz: “Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, o Filho do homem se envergonhará dele quando vier em sua glória e na glória do Pai e dos santos anjos” (Lucas 9.26; ver Mateus 10.33). Medo diante de pessoas é algo assustador. Todavia, se você se dispõe a abrir o seu coração diante do Senhor e mostrar a ele o seu pecado, então o sangue de Jesus o purificará de todo pecado. Se permanecer diante dele, sentirá como subitamente será radicalmente salvo e liberto do medo diante das pessoas. E seu testemunho será corajoso.


  1. Versão Almeida Revista e Atualizada (ARA) © 1993. Sociedade Bíblica do Brasil. Todos os direitos reservados.
  2. Nova Versão Transformadora (NVT) © 2016. Editora Mundo Cristão. Todos os direitos reservados.

Wim Malgo (1922-1992) nasceu em Maassluis, Holanda. Formou-se no Instituto Bíblico Beatenberg, na Suíça. Fundou a Obra Missionária Chamada da Meia-Noite na Suíça em 1955. Autor de mais de 40 livros, durante décadas suas mensagens bíblicas, proféticas e de santificação, profundas e atuais, transmitiram uma visão clara do plano de Deus e ajudaram inúmeras pessoas em sua vida de fé.

Veja artigos do autor

Todos os textos da série

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança