Todo Dia Com Jesus

Atos 13:32-52

"E, se Cristo não ressuscitou, é vã a nossa pregação", escreve o apóstolo aos coríntios (1 Coríntios 15:14). Surpreende-nos, então, notar que ele tanto enfatiza a ressurreição do Senhor Jesus? Aos judeus a ressurreição demonstrava que Ele de fato era o Messias prometido, do qual falavam o Salmo 16 e outras escrituras (vv. 34-35). Aos pagãos, era a demonstração do poder de Deus e a prova do juízo que está determinado (17:31). Para nós, os crentes, a presença na glória de nosso Redentor vivo é a garantia de que Deus reconheceu a obra que fez em prol de nossa justificação (Romanos 4:25), de que nossa porção é celestial (Colossenses 3:1-2) e de que nossa esperança está "segura e firme" (Hebreus 6:18-20).

As "boas novas da promessa" (v. 32) encontram somente blasfêmia e contradição por parte dos miseráveis judeus (v. 45). Então os apóstolos, por ordem do Senhor, solenemente voltam-se para os gentios (v. 46) ao confirmar que a remissão dos pecados é concedida a todo aquele que crê (vv. 38-39).

Aqueles judeus não se julgavam dignos da vida eterna (v. 46). Isto é incredulidade, e de maneira nenhuma humildade! Na parábola do filho pródigo, o Senhor faz referência a esse tipo de gente na pessoa do filho mais velho (Lucas 15:25-30). Por seu egoísmo e sua própria justiça, ele se privou voluntariamente da alegria da casa paterna.

Apocalipse

 

Contribua com este ministério

Realizamos a obra com poucos recursos e precisamos do seu apoio para mantê-lo e expandi-lo. Ajude-nos a alcançar mais pessoas com a Palavra de Deus!

Saiba como contribuir
Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança