Barnabé: o missionário

Norbert Lieth

O êxito espiritual alcançado por Barnabé se deve ao fato de que ele dirigia sua vida no Espírito Santo. Por esse motivo ele e Paulo eram qualificados para o serviço missionário. O Senhor designou e enviou esses dois homens, citando-os nominalmente: “Enquanto [os profetas e líderes da igreja em Antioquia] adoravam o Senhor e jejuavam, disse o Espírito Santo: ‘Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado’. Assim, depois de jejuar e orar, impuseram-lhes as mãos e os enviaram” (At 13.2-3).

Sabemos que é primeiramente Deus que faz a livre escolha em convocar e preparar pessoas para uma obra. No entanto, o Senhor, ou o Espírito Santo, também está atento para um coração disposto a servir. Barnabé e Paulo ardiam pela causa de Jesus Cristo, por seu evangelho. Todos os pensamentos e vontades deles estavam direcionados em permanecer a caminho para confrontar as pessoas com a mensagem da salvação. A intenção deles era de alargar fronteiras e, por isso, procuravam descobrir maneiras para levar o evangelho a todos os lugares. Assim, Barnabé e Paulo, os missionários dos gentios, viajaram para o Chipre e para a Ásia Menor (At 13.6-7,43; 15.22,35). Eram homens que tinham disposição para enfrentar novas tarefas! Isso não permaneceu despercebido diante da igreja. E nós perguntamos: será que não era isso que o Espírito Santo buscava, quando disse: “Separem-me Barnabé e Saulo para a obra a que os tenho chamado”? Não deveria ser também esse o ardente desejo do nosso coração: servir a Deus em Jesus Cristo? Certamente que sim! Pois é isso que o Espírito Santo busca para alargar nossas fronteiras.

Em certa ocasião, quando se tratava de instruir, incentivar e consolar pessoas que haviam se convertido, os irmãos líderes da igreja em Jerusalém sabiam então quem poderiam enviar. Em Atos 11.21-22, lemos: “A mão do Senhor estava com eles, e muitos creram e se converteram ao Senhor. Notícias desse fato chegaram aos ouvidos da igreja em Jerusalém, e eles enviaram Barnabé a Antioquia”.

E nós, estamos inclinados a alargar fronteiras? É nosso desejo que o Senhor possa realizar mais do que fez anteriormente em e por meio de nós? Será que ele, em sua onipotência, nos diz: “Posso fazer mais por você do que fiz até agora”? Vemos diante de nossos olhos que Jesus pode; sim, que ele quer fazer coisas novas, nos redirecionar e conduzir por caminhos novos? Para isso, no entanto, ele necessita encontrar corações receptivos. A Palavra de Deus promete: “O Senhor pode dar-lhe muito mais que isso” (2Cr 25.9b).

Barnabé não estava disposto apenas a proclamar o evangelho em todo lugar e ser líder na igreja de Antioquia, mas também a pensar na igreja messiânica na Judeia, angariar recursos para ela e levá-los até lá. Ele manteve conscientemente o relacionamento correto com Jerusalém e levou uma oferta até lá. Como esse homem era flexível! Ele se dedicava a apoiar os judeus messiânicos crentes. Atos 11.29-30 fala sobre isso: “Os discípulos, cada um segundo as suas possibilidades, decidiram providenciar ajuda para os irmãos que viviam na Judeia. E o fizeram, enviando suas ofertas aos presbíteros pelas mãos de Barnabé e Saulo”.

Afinal, qual era o critério que levou os apóstolos e presbíteros em Jerusalém, bem como toda a igreja, a enviar, com muita alegria, Barnabé e Paulo? O que lhes dava a segurança de que se tratavam de dois irmãos dignos de confiança? Lemos a resposta em Atos 15.25-26: “Assim, concordamos todos em escolher alguns homens e enviá-los a vocês com nossos amados irmãos Paulo e Barnabé, homens que têm arriscado a vida pelo nome de nosso Senhor Jesus Cristo”. Essa é a chave: o Espírito Santo quer utilizar homens e mulheres que estejam dispostos a arriscar suas vidas pelo nome do Senhor Jesus Cristo!

Como está, nesse sentido, a situação em nossas igrejas no cristianismo atual? Não nos tornamos muito superficiais, muito acomodados, muito preguiçosos, muito mornos? Uma missionária estava interessada em conquistar pessoas jovens em uma igreja para servir no campo missionário. Ela fez a observação: “Proporcionalmente, a maioria dos missionários são mulheres. Quando o Senhor convoca rapazes em uma igreja, então a resposta deles certamente será: ‘Aqui estou, Senhor – envie minha irmã!’”.

Não são poucos os crentes que simplesmente se livram da responsabilidade. Onde estão hoje os jovens rapazes crentes, dispostos a arriscar suas vidas pela causa do Senhor? Na tradução alemã Hoffnung für alle [Esperança para todos] da Bíblia, em Atos 15.26 diz: “... que arriscaram suas vidas à causa de nosso Senhor Jesus Cristo, dois homens adequados...”.

Se alguém quiser ser considerado adequado para a causa do Senhor, é necessário que ele primeiro esteja disposto a arriscar sua vida por ele. Você está disposto a isso? As afirmações do Senhor Jesus Cristo também valem para nós:

– “Ninguém que põe a mão no arado e olha para trás é apto para o Reino de Deus” (Lc 9.62).

– “Siga-me, e deixe que os mortos [isto é, os espiritualmente mortos] sepultem os seus próprios mortos” (Mt 8.22).

– “Quem ama seu pai ou sua mãe mais do que a mim não é digno de mim; quem ama seu filho ou sua filha mais do que a mim não é digno de mim; e quem não toma a sua cruz e não me segue, não é digno de mim. Quem acha a sua vida a perderá, e quem perde a sua vida por minha causa a encontrará” (Mt 10.37-39).

Somente à medida que arriscamos nossa vida pelo nome do nosso Senhor Jesus Cristo é que estaremos verdadeiramente apropriados para a sua causa. Nossas igrejas necessitam novamente desse fervor característico de Barnabé. Onde estão os barnabés entre nós?

Nosso maior exemplo é Jesus Cristo, o eterno Filho de Deus, que não precisava negar que era semelhante a Deus. Ele renunciou à glória de Deus, seu Pai, veio ao nosso mundo e entregou sua vida por nós. Ao entregar toda a sua vida como pagamento pelo nosso pecado, nós tivemos acesso à vida eterna em Deus. Somente Jesus é o verdadeiro caminho para Deus (Jo 14.6). No momento em que encontramos Jesus, e com ele recebemos a vida eterna, deveríamos também colocar nossa vida sobre o altar para servi-lo, assim como Barnabé o fez! — Norbert Lieth

Norbert Lieth é Diretor da Chamada da Meia-Noite Internacional. Suas mensagens têm como tema central a Palavra Profética. Logo após sua conversão, estudou em nossa Escola Bíblica e ficou no Uruguai até concluí-la. Por alguns anos trabalhou como missionário em nossa Obra na Bolívia e depois iniciou a divulgação da nossa literatura na Venezuela, onde permaneceu até 1985. Nesse ano, voltou à Suíça e é o principal preletor em nossas conferências na Europa. É autor de vários livros publicados em alemão, português e espanhol.

Veja artigos do autor

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança