O passado passou

Ludwig Schneider

O envelhecimento é caracterizado pelo fato de que o passado proporciona mais alegrias do que o futuro. Na verdade, justamente as pessoas idosas deveriam ter muito mais alegria diante do futuro, porque elas se encontram bem mais próximas da eternidade e o que há de mais belo ainda está por acontecer. Ao invés de olharmos para o que está à nossa frente, preferimos olhar para trás. Talvez isso seja assim porque o ano passado – porque tivemos mais forças e éramos mais saudáveis – nos pareceu ser melhor. Naturalmente não devemos ignorar nosso passado, pois a partir dele aprendemos lições para o futuro. No entanto, nosso passado não deve frear ou bloquear totalmente nossos passos à frente.

Deus também nos exorta a olharmos para frente. É o que lemos em Isaías 43.16-19: “Assim diz o Senhor, aquele que fez um caminho pelo mar, uma vereda pelas águas violentas, que fez saírem juntos os carros e os cavalos, o exército e seus reforços, e eles jazem ali, para nunca mais se levantarem, exterminados, apagados como um pavio: ‘Esqueçam o que se foi; não vivam no passado. Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não a reconhecem? Até no deserto vou abrir um caminho e riachos no ermo’”.

A cada ano comemoramos a Páscoa, quando Deus libertou seu povo da escravidão do Egito e, para tanto, abriu o mar Vermelho. Do mesmo modo, a cada ano os cristãos comemoram o nascimento de Jesus, no Natal. O calendário judaico, e também o cristão, está cheio de dias memoriais, nos quais nos lembramos dos grandes feitos de Deus, o que, na verdade, não é errado. Todavia, esses dias memoriais não devem impedir nosso olhar para a frente.

Casamento

Aqui se aplica a exortação de Deus: “Vejam, estou fazendo uma coisa nova! Ela já está surgindo! Vocês não a reconhecem?”. Também Paulo escreveu aos filipenses (3.13): “... esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante”! E assim chegamos à palavra profética da Bíblia, que nos serve de orientação para aquilo que está adiante de nós: “Certamente o Senhor, o Soberano, não faz coisa alguma sem revelar o seu plano aos seus servos, os profetas... O Senhor, o Soberano falou, quem não profetizará? (Am 3.7-8).

Pastores se deleitam em suas pregações com os feitos de Deus no passado, como se eles mesmos tivessem participado deles. No entanto, eles não falam sobre aquilo que Deus prometeu, e sobre o que ele faz em nossos dias. É semelhante a uma pessoa que pede informações sobre um caminho a ser seguido e recebe a descrição do caminho pelo qual ela veio. Analisar a Palavra é algo correto e bom, mas isso deve ser feito com orientação para o futuro e contendo a palavra profética que Deus nos deu, para que possamos avançar com passos firmes em um mundo caótico, pois “a tua palavra é lâmpada que ilumina os meus passos e luz que clareia o meu caminho” (Sl 119.105). A luz de Deus não ilumina atrás de nós, mas ilumina claramente aquilo que está à nossa frente.

Nesse sentido, não existe sinal profético mais claro atualmente do que o de Israel. Isso não significa euforia em relação a Israel, mas apenas se trata de olhar para frente. É mais fácil pregar sobre fatos passados do que sobre o que está à nossa frente. No entanto, é justamente por esse motivo que temos “luz em nosso caminho” – conforme diz a palavra profética de Deus. A nação que procura seu futuro através do seu passado comete uma falha, como também acontece com Israel. Israel tem um grande passado, mas tem um futuro ainda maior – oremos por isso! — Ludwig Schneider (israeltoday.co.il)

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança