Tempo de Maranata e o Sionismo

Norbert Lieth

Em outras oportunidades já salientamos o paralelismo entre o reavivamento do "Maranata!" ("vem, nosso Senhor!"), um novo despertar entre os cristãos quanto à expectativa da iminente volta de Jesus, e o sionismo, o movimento para trazer os judeus da Diáspora (Dispersão) de volta para Eretz Israel (a Terra de Israel). Esses dois importantes processos deram-se quase simultaneamente. A revista "Christen an der Seite Israels" ("Cristãos que apóiam Israel") publicou uma tabela cronológica do retorno dos judeus à sua antiga pátria:

1838: Em Viena (Áustria) foi fundada "Die Einheit" ("A Unidade"), uma organização judaica secreta destinada a fomentar a emigração dos judeus para a "Palestina".

1840: Lord Palmerston, o ministro do Exterior britânico, encarrega a embaixada britânica na Turquia de interceder junto ao sultão turco pelo retorno dos judeus à "Palestina".

1844: O pastor britânico Bradshaw sugere que sejam disponibilizadas consideráveis somas de dinheiro para uma nova colonização da Terra Santa.

1849: O coronel britânico e sionista cristão George Gawler (1796–1869) acompanha o filantropo judeu Sir Moses Montefiore em uma viagem à Terra Santa e convence-o a investir na reconstrução da nação judaica.

1860: Na cidade prussiana de Thorn realiza-se uma conferência judaica. É discutida a possibilidade de fundar uma nação judaica na "Palestina".

1864: O cristão e sionista suíço Henri Dunant (fundador da Cruz Vermelha) solicita a Napoleão III e a outros chefes de Estado que apóiem o retorno dos judeus à Terra Santa.

1865: Após duas visitas à Terra Santa, o luterano e sionista alemão Dr. C. F. Zimpel publica um "Chamamento a toda a Cristandade e aos Judeus em prol da Libertação de Jerusalém".

Pouco tempo mais tarde, Zimpel escreve profeticamente: "No final, a emigração para a Palestina será a única salvação para os judeus. Eles serão odiados por todos".

1874: O filho do cristão sionista George Gawler, John Cox Gawler, dá continuidade à obra de seu pai e torna público um detalhado e prático projeto para a povoação de Eretz Israel (a terra de Israel) pelos judeus.

1875: O cristão sionista Henri Dunant funda em Londres a "Palestine Colonization Society". Seu alvo: apoiar e facilitar o retorno dos judeus a Israel.

1878: O homem de negócios e missionário americano William Blackstone publica seu livrete "Jesus Vem", no qual conclama a uma retomada da vida nacional judaica em Sião.

1881: No leste europeu, o movimento religioso-sionista "Hibbat Zion" ("Amor por Sião") conclama à emigração judaica para a "Palestina".

1882: O judeu alemão Leo Pinsker escreve seu livro "Auto-Emancipação", onde apela aos judeus para que iniciem uma "volta nacional para as margens do rio Jordão".

1882–1904: Mais de 25.000 judeus do leste europeu emigram para Eretz Israel (primeira "aliá" [imigração]).

1884: William Hechler, cristão sionista e pastor da embaixada britânica em Viena, escreve "A Volta dos Judeus à Palestina Segundo os Profetas". Posteriormente, ele faz amizade com Theodor Herzl, a quem aconselha e aproxima dos líderes europeus.

1896: Theodor Herzl publica seu livro "O Estado Judeu". A obra é a base do sionismo político e um guia para a fundação do novo Estado de Israel em 1948.

1897: Acontece o primeiro Congresso Sionista na Basiléia (Suíça). O sonho sionista de Herzl apela principalmente aos judeus do leste europeu, que iniciam a dura viagem a Israel. Convidados de honra do Congresso, além dos 159 delegados, foram os proeminentes sionistas cristãos pastor William Hechler, Henri Dunant e o pastor luterano alemão Dr. Johann Leptius.

O movimento religioso "Hibbat Zion" adere à Organização Sionista, de orientação secular.

1898: Após intenso lobby do pastor William Hechler, o imperador alemão Guilherme II foi o primeiro líder europeu a publicar um manifesto de apoio ao sionismo.

1914: Entre 1881 e 1914 mais de 60.000 judeus russos partem para Israel. Outros dois milhões fogem para os EUA e 200.000 vão para a Inglaterra.

1917: O ministro do Exterior britânico Lord Balfour declara que a Grã-Bretanha apóia oficialmente a fundação de um "lar judeu" na "Palestina".

O presidente americano Woodrow Wilson apóia a "Declaração Balfour". Ela passa a ser a base jurídica para futuros documentos da Liga das Nações e das Nações Unidas.

A partir de 1919: Primeira onda de emigração de judeus alemães para a "Palestina".

1936–1939: O oficial britânico cristão Charles Orde Wingate forma tropas de combate judaicas na "Palestina". Sob sua liderança, elas combatem o terrorismo árabe. Por sua postura sionista, ele é transferido em 1939.

1945, 30 de abril: Suicídio de Hitler.

1945, 9 de maio: Capitulação incondicional da Alemanha. Fim da Segunda Guerra Mundial, que dizimou aproximadamente 60 milhões de pessoas.

1948, 14 de maio: Fundação do Estado de Israel com a Declaração de Independência proferida por David Ben Gurion.

1949: Jerusalém torna-se novamente a capital de Israel.

1950: O sionista cristão Pierre von Paaschen publica o "Jewish Calling" ("Clamor Judeu"), onde transcreve o lamento de Raquel da seguinte maneira: "Se Israel morrer, Tua Torá ficará vazia e sem valor. O mundo não será salvo. Se Israel for apagado da face da terra, Tu não serás mais o Santo de Israel".

1967: Durante a Guerra dos Seis Dias, Israel conquista a Judéia, a Samaria, as colinas de Golan, a Faixa de Gaza e Jerusalém Oriental. Inúmeros lugares sagrados do judaísmo e do cristianismo voltam ao domínio judeu.

A URSS rompe relações diplomáticas com Israel.

A Holanda assume a representação diplomática israelense na União Soviética, tornando-se responsável diante das autoridades pela emigração dos judeus soviéticos para Israel.

1971: Em uma carta dirigida ao jornal "L’Osservatore Romano" do Vaticano, o teólogo católico e sionista cristão John Oesterreicher critica a postura anti-israelense do jornal e da igreja católica: "Enquanto cristãos e muçulmanos usufruíam de liberdade religiosa em Israel sob o domínio jordaniano (1948–1967), os judeus eram privados desse direito. Eles não podiam nem orar junto ao Muro das Lamentações... Não se ouviu protestos dos cristãos contra a destruição de todas as sinagogas na parte oriental de Jerusalém, administrada pela Jordânia."

1972: A partir desse ano cresce novamente a imigração de cidadãos judeus oriundos da URSS. Na década de 70 chegaram aproximadamente 100.000 judeus russos a Israel.

1989: De outubro de 1989 até o final de 1999, mais de 700.000 judeus russos chegam a Israel.

1998: O jovem Estado de Israel comemora seu 50º ano de existência.

1999: Israel tem mais de 6 milhões de habitantes, dos quais 4,8 milhões são judeus. O forte fluxo de imigrantes judeus do leste europeu se mantém.

Sob o título "Sensacional retorno à Bíblia", o texto prossegue:

Depois que o imperador Constantino tornou-se cristão no ano 313 e da igreja ter perdido a expectativa de um reino divino... somente com a Reforma voltou-se a pensar no assunto.

Mas apenas no início do século 19 essa questão voltou a despertar maior interesse. Em 1826, cinqüenta teólogos e leigos reuniram-se no sul da Inglaterra para orar intensivamente e estudar a Bíblia... A revista "The Morningwatch" ("A Vigília da Manhã") começou a ser editada. As mensagens bíblicas do reino messiânico e do lugar de Israel nesse reino foram redescobertas.

Vivemos em um tempo extraordinário, no limiar para a meia-noite. O Senhor quer despertar e santificar Sua Igreja. Em seu comentário sobre o Evangelho de Mateus, Ernst Kruppa escreve:

Certa vez li o Novo Testamento e sublinhei com uma caneta verde todas as passagens que falam da vinda do Senhor. No final da leitura, meu Novo Testamento estava quase todo verde. E eu mesmo pude me certificar de que a maioria das passagens que falam da volta de Jesus vem acompanhada de exortações à santificação diária. Isso deixou muito claro para mim que a volta de Jesus não é uma questão de números e datas, mas de santificação. A Palavra de Deus não nos ordena que façamos cálculos com datas – ela nos ordena que sejamos santos.

Lemos na parábola das dez virgens: "Mas, à meia-noite, ouviu-se um grito: Eis o noivo! Saí ao seu encontro!" (Mt 25.6). Seria extenso demais tratar aqui de todos os impressionantes sinais preparatórios do palco do fim dos tempos, que atualmente apontam para seu clímax. Nos últimos 150-200 anos irrompeu entre os judeus espalhados pelo mundo a idéia de voltarem para sua pátria, e paralelamente a Igreja de Jesus voltou a ter consciência do retorno do Senhor e do arrebatamento. Nesse período, sucederam-se duas guerras mundiais, acompanhadas de outros rumores de guerra (Mt 24.6). Desde o século 19 os terremotos aumentaram drasticamente e, como nunca antes na História, hoje temos os meios para ficar sabendo a respeito da sua ocorrência. Os desenvolvimentos na área da tecnologia sucederam-se em ritmo tão frenético que é quase impossível acompanhá-los. Além disso, os países da Europa estão com muita pressa para consolidar a sua união.

Parece que no século 19 uma roda começou repentinamente a se movimentar, que mais e mais engrenagens se uniram e que tudo passou a girar em velocidade cada vez maior. Maranata! Jesus está voltando! 

Norbert Lieth é Diretor da Chamada da Meia-Noite Internacional. Suas mensagens têm como tema central a Palavra Profética. Logo após sua conversão, estudou em nossa Escola Bíblica e ficou no Uruguai até concluí-la. Por alguns anos trabalhou como missionário em nossa Obra na Bolívia e depois iniciou a divulgação da nossa literatura na Venezuela, onde permaneceu até 1985. Nesse ano, voltou à Suíça e é o principal preletor em nossas conferências na Europa. É autor de vários livros publicados em alemão, português e espanhol.

Veja artigos e produtos do autor

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança