Jesus é Maior

Thomas Lieth

Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre” (Hb 13.8).

O brado “Allahu Akbar” é ouvido diariamente de todos os minaretes. Normalmente a expressão é traduzida como “Alá é grande”. Na verdade, o significado correto de “Allahu Akbar” – e este é o sentido que todos os muçulmanos lhe dão – é: “Alá é maior”. Alá é maior que Yahweh (Javé), Alá é maior que o Deus da Bíblia, Alá é maior que tudo. Não há nada que chegue perto dele.

A declaração de fé muçulmana é: “Não há deus além de Alá e Maomé é o seu profeta”. Do ponto de vista muçulmano, essa verdade é inabalável. Por isso, fico muito espantado quando as mesmas pessoas que têm grandes dificuldades com as declarações absolutas da Bíblia, e consideram intolerantes, discriminatórias e fundamentalistas as afirmações de Jesus (como:“Ninguém vem ao Pai senão por mim” – Jo 14.6), defendem com veemência o direito dos islâmicos construirem mesquitas e minaretes nos países ocidentais. Essas pessoas até acham que é um enriquecimento cultural ouvir os muçulmanos gritando diariamente a sua própria declaração absoluta: “Alá é maior!”. Diante de duas declarações absolutas:

– do islã: elas não vêem nenhum problema.

– da Bíblia: elas a consideram discriminatória, sem opção para o diálogo.

Essa é uma perfeita demonstração da cegueira do mundo ocidental, dos políticos, de muitas igrejas e da sociedade!

Porém, nesta mensagem não pretendo falar do islã, mas usar a Epístola aos Hebreus para mostrar quem realmente é maior. A Carta aos Hebreus foi escrita primordialmente para judeus que haviam se tornado crentes em Jesus e que O reconheceram como o Messias. Mas entre esses judeus havia alguns que apenas acompanhavam os demais, que tinham sido tocados pelo testemunho a respeito de Jesus, mas não tinham tomado uma clara decisão pessoal.

E, então, essa epístola mostra enfaticamente: Jesus é maior! Maior do que tudo o que os judeus conheciam até aquele momento.

Jesus é maior

A Carta aos Hebreus faz algumas comparações para demonstrar com clareza que Jesus é maior que tudo.

Por exemplo, Jesus é maior que os anjos: “...tendo-se tornado tão superior aos anjos quanto herdou mais excelente nome do que eles. Pois a qual dos anjos disse jamais: Tu és meu Filho, eu hoje te gerei? E outra vez: Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho? E, novamente, ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem” (Hb 1.4-6).

Naquela época circulava um falso ensino que colocava Jesus no mesmo nível que os anjos, e que chegava até mesmo a considerar o arcanjo Miguel superior ao Messias esperado. E aqui a Palavra de Deus nos diz: “Ora, a qual dos anjos jamais disse: Assenta-te à minha direita, até que eu ponha os teus inimigos por estrado dos teus pés?” (v.13).

Jesus também foi maior que Moisés: “Por isso, santos irmãos, que participais da vocação celestial, considerai atentamente o Apóstolo e Sumo Sacerdote da nossa confissão, Jesus, o qual é fiel àquele que o constituiu, como também o era Moisés em toda a casa de Deus. Jesus, todavia, tem sido considerado digno de tanto maior glória do que Moisés, quanto maior honra do que a casa tem aquele que a estabeleceu” (Hb 3.1-3).

Para os judeus não havia ninguém maior e mais sublime que Moisés. Então foi dito a eles: Jesus é maior que Moisés. Em outras palavras: ninguém é maior que Jesus! Essa afirmação beira a provocação. Se hoje você disser a um judeu ortodoxo que “Jesus é maior que Moisés”, trate de ter certeza de que está usando bons calçados para corrida.

Se hoje você disser a um judeu ortodoxo que “Jesus é maior que Moisés”, trate de ter certeza de que está usando bons calçados para corrida.

Mas o autor da Carta aos Hebreus – naturalmente inspirado por Deus – não se importava com a reação que essa declaração geraria. A ele importava proclamar a verdade. Um teólogo liberal, histórico-crítico, aberto ao diálogo e de pensamento livre, certamente não tentaria desagradar a ninguém. “Jesus é maior que Moisés – Ah!, não, não posso escrever isso, os judeus vão se sentir excluídos. Jesus é maior que Maomé – de jeito nenhum, isso só vai provocar os muçulmanos. Jesus é maior que os anjos – pode ser, mas seria melhor expressar menos absolutismo. Será suficiente escrever: Jesus é maior que os anjos, mas é perfeitamente possível pensar de forma diferente a respeito”.

É claro que nossa intenção não é provocar, mas impedir que a verdade seja silenciada. E isso inclui deixar claro para judeus, muçulmanos e todas as outras pessoas: Jesus é maior! Essa é a verdade, e ninguém nos impedirá de dizê-la, seja lá qual for a lei antidiscriminação que estiver em vigor.

Jesus é maior que Arão, o maior sumo sacerdote de Israel: “Tendo, pois, a Jesus, o Filho de Deus, como grande sumo sacerdote que penetrou os céus, conservemos firmes a nossa confissão” (Hb 4.14). Arão não era um qualquer, mas o sumo sacerdote por excelência; instituído no cargo pelo próprio Deus. Arão foi um homem de Deus e merece honra, assim como Moisés. Mas, mesmo assim, ele tinha suas fraquezas, como afirma Hebreus 7.28:“Porque a lei constitui sumos sacerdotes a homens sujeitos à fraqueza, mas a palavra do juramento, que foi posterior à lei, constitui o Filho, perfeito para sempre”.

Jesus é maior, pois Jesus é o único Sumo Sacerdote que penetrou os céus sem pecado, e isso por toda eternidade.

Desprezo da graça

Esta lista de “Jesus é maior que...”, que na verdade é incompleta, revela o que os hebreus abandonariam se voltassem para os rituais e tradições do judaísmo. É exatamente desse problema que a Carta aos Hebreus trata em alguns trechos. Os leitores judeus foram confrontados com o Evangelho proclamado pelos apóstolos e pelos judeus crentes em Jesus. Eles viam os sinais e milagres, a autoridade e o poder do Espírito Santo que atuava nos apóstolos. A graça, a obra redentora do Gólgota e toda a grandeza de Jesus Cristo eram retratadas diante de seus olhos. E, de alguma forma eles conseguiam entender tudo isso – com a mente – mas, infelizmente, não com o coração. De alguma maneira eles criam, mas não colocavam a fé em prática. Iam às reuniões, participavam delas. Mas alguns acabavam voltando atrás, e assim, como diz a Carta aos Hebreus, calcam aos pés o Filho de Deus. Desprezaram a graça que havia sido revelada em Jesus Cristo (Hb 10.29).

Esses judeus voltavam a considerar Moisés maior que Jesus. Colocavam Arão, o sumo sacerdote de seus pais, novamente acima de Jesus, o único verdadeiro e perfeito Sumo Sacerdote. Deixavam a verdade e abandonavam o perfeito em favor do imperfeito. Que tragédia! Tinham experimentado a verdade, ouviram da graça e da fé, tinham chegado tão perto e mesmo assim voltaram a refugiar-se na imperfeita obra humana.

Esse comportamento é igual ao de um homem condenado com justiça e que dá entrada a uma petição de indulto. Mas quando esse indulto está para ser concedido, ele volta a reportar-se à lei que o condenara. Ele recusa a graça de forma consciente.

“Marias-vão-com-as-outras”

Até hoje encontramos pessoas assim nas igrejas e reuniões; elas experimentaram a graça e sabem muito bem o que Jesus realizou na cruz do Gólgota. São cristãos que crêem e compreendem com o intelecto, que vão à igreja e estão presentes em todas as programações cristãs. Mas não colocaram em prática o seu conhecimento teórico, aquilo que compreenderam com a mente. Só crêem com o entendimento, mas não com o coração. São religiosos, até piedosos, mas não nascidos de novo. É a esses seguidores que a Palavra adverte para que prestem atenção no que a Escritura diz. São exortados a não somente ouvir, mas a internalizar a Palavra, guardando-a, considerando-a e principalmente praticando-a (cf. Hb 2.1).

Via de regra esses seguidores escolhem o caminho do menor esforço e não chamam a atenção. Mas assim que enfrentam alguma oposição, a real situação da sua fé é revelada. A mesma coisa acontecia com os hebreus naquela época. Foram levados a um ponto em que tiveram de tomar uma decisão muito clara: “Todavia, o meu justo viverá pela fé; e: Se retroceder, nele não se compraz a minha alma. Nós, porém, não somos dos que retrocedem para a perdição; somos, entretanto, da fé, para a conservação da alma” (Hb 10.38-39).

Como fica a nossa fé quando somos submetidos a doenças e sofrimentos? Recuamos, frustrados e desencorajados, ou bradamos em alta voz: “Jesus ainda é maior”? Como fica a nossa igreja, se não pudermos mais nos reunir livremente ou até mesmo sofrermos ameaças? O grupo baixará de 60 para 20 ou 10 participantes? Como eu fico se não puder mais pregar livre e desembaraçadamente a Palavra de Deus? Será que vou continuar anunciando:“Porquanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro” (Fp 1.21)? Ou será que vou preferir fazer palestras sobre a Branca de Neve e os sete anões?

Jesus é maior, não só quando estamos bem, mas principalmente quando a água chega ao pescoço (cf. Hb 3.14).

Jesus realizou o sacrifício completo

Vejamos agora alguns fatos que os destinatários da Carta aos Hebreus também tiveram de encarar. O sacerdócio levítico, um componente importante da Antiga Aliança, não atingiu a perfeição em nada. Podemos pensar que essa seria uma nova provocação para os leitores judeus, mas trata-se da verdade, da Palavra de Deus: “Se, portanto, a perfeição houvera sido mediante o sacerdócio levítico (pois nele baseado o povo recebeu a lei), que necessidade haveria ainda de que se levantasse outro sacerdote, segundo a ordem de Melquisedeque, e que não fosse contado segundo a ordem de Arão?” (Hb 7.11).

O sacerdócio do Antigo Testamento oferecia ao povo de Israel a oportunidade de arrepender-se e obter perdão, mas, devido à constante repetição dos pecados, nunca chegava a um encerramento. Somente em Jesus Cristo o perdão é definitivo e perfeito, porque Ele, que era sem pecado, tomou sobre si todos os nossos pecados e nos redimiu. Jesus não somente entrou no Santo dos Santos, mas penetrou nos céus e agora está sentado à direita de Deus para ali interceder por nós.

Prezado leitor, Jesus Cristo é seu Intercessor pessoal diante do Pai celeste, não somente por um ano, mas por toda a eternidade (Hb 9.24-28).

A lei também não trouxe a perfeição, como diz Hebreus 7.19. Da mesma forma, os sacrifícios do Antigo Testamento, que pela lei tinham de ser trazidos repetidamente, também não podiam aperfeiçoar os israelitas (Hb 10.1; cf. também o capítulo 9), mesmo que a lei fosse boa e Israel tivesse a obrigação de cumpri-la. Afinal, a lei não era obra de homens, mas dada por Deus.

Mas Jesus é maior! Jesus é o Sacerdote perfeito, maior que o templo e maior que o sábado (Mt 12.6,8). Jesus é o sacrifício perfeito. Nenhum sacrifício humano, nenhum serviço sacerdotal e nenhuma lei podem contribuir para a salvação. Esse fato vale para todos os homens. Lavar-se no Ganges não trará salvação para nenhum hindu. Nenhuma meditação levará o budista ao céu. Nenhuma vela dará fruto permanente ao cristão e nenhuma peregrinação conduzirá o muçulmano ao céu. Por isso Moisés nunca será o maior, pois também ele era imperfeito: “Porque a lei foi dada por intermédio de Moisés; a graça e a verdade vieram por meio de Jesus Cristo” (Jo 1.17). Jesus é maior!

Por isso, o brado do muezim, do alto dos minaretes: “Alá é maior!”, não corresponde à verdade. Afinal, o Corão nem mesmo promete certeza de salvação. O islã também não conhece um sacrifício perfeito; a própria pessoa precisa lutar e batalhar: “você deve”, “você deve” e “você deve” – e mesmo assim você não pode ter certeza da salvação.

O brado do muezim, do alto dos minaretes: “Alá é maior!”, não corresponde à verdade. Afinal, o Corão nem mesmo promete certeza de salvação.

Esse sacrifício vicário perfeito pelos pecados do ser humano, que é totalmente desconhecido em outras religiões, só é encontrado na Bíblia – cumprido e consumado em Jesus Cristo. Como algo imperfeito pode ser maior do que aquilo que é perfeito? Sem chance! Somente a obra de salvação do Gólgota, cumprida em e por Jesus Cristo, é perfeita. Ele mesmo proclamou na cruz: “Está consumado!” (Jo 19.30). E quando algo está consumado, consumado está, perfeito está. Isto é, nada mais precisa ser acrescentado. A salvação está consumada, já foi confirmada, mas apenas na cruz do Gólgota e em nenhum outro lugar. De nada adianta as pessoas dizerem que isso é intolerância. Pode até ser, mas ainda assim só posso dizer: “E daí? Afinal, é a verdade!”.

Se afirmo que o cogumelo mata-moscas é venenoso, algumas pessoas podem achar que essa afirmação é intolerante, mas ela não deixa de ser verdade. E é disso que se trata! Não devemos dizer às pessoas aquilo que elas querem ouvir, mas a verdade. Se alguém, em sua falsa tolerância, quiser comer um prato de cogumelos venenosos, que fique à vontade; mas também terá de viver (ou, neste caso, não viver) com as conseqüências.

Perfeito em Jesus

Jesus é maior. Jesus é singular. E Jesus é o único caminho para reconciliar-se com Deus, o Pai. Jesus Cristo é a Palavra de Deus encarnada. Jesus Cristo é o caminho, a verdade e a vida.

Jesus é perfeito até a eternidade (Hb 13.8). Ele entrou no maior e mais perfeito tabernáculo, como diz a bela descrição em Hebreus 9.11-12. Por meio de Seu próprio sacrifício, quando o próprio Jesus se entregou, Ele tornou os crentes perfeitos para sempre: “Porque, com uma única oferta, aperfeiçoou para sempre quantos estão sendo santificados” (Hb 10.14).

É preciso imaginar a cena. A Bíblia, a Palavra de Deus, chama-nos de perfeitos e justos! Mas quando olhamos no espelho, vemos o contrário. E mesmo assim somos justos e perfeitos aos olhos de Deus. Isso não é normal, como pode acontecer? Por meio do precioso sangue de Jesus Cristo, que Ele derramou por você e por mim, somos realmente perfeitos e justos aos olhos de Deus. Deus não nos vê mais como somos, mas através de Seu Filho Jesus Cristo.

No momento em que uma pessoa chega à fé em Jesus Cristo e coloca toda a sua vida nas mãos de dEle, Deus não olha mais para sua verdadeira natureza, mas em e por meio de Seu Filho Jesus Cristo: “E, assim, se alguém está em Cristo, é nova criatura; as coisas antigas já passaram; eis que se fizeram novas” (2 Co 5.17). E em e por meio de Jesus somos agora justificados e aperfeiçoados. Isso não é extraordinário?

Pergunto: qual religião pode oferecer algo apenas remotamente parecido? Nenhuma! Isso só pode ser encontrado na Palavra de Deus.

Agarre o melhor!

Não devemos dizer às pessoas aquilo que elas querem ouvir, mas a verdade. Se alguém, em sua falsa tolerância, quiser comer um prato de cogumelos venenosos, que fique à vontade; mas também terá de viver (ou, neste caso, não viver) com as conseqüências.

Jesus Cristo: o mundo nunca viu alguém maior e mais perfeito! Maior do que tudo que o judaísmo já conheceu. Maior do que Moisés, Arão, Davi, Salomão (Mt 12.42) ou Jonas (Mt 12.41). A Carta aos Hebreus diz aos judeus: “Não confiem em Moisés, não confiem em Arão nem nos outros sacerdotes; não confiem em Davi nem nos outros reis!” Hoje diríamos: “Não confiem em seus rabinos, não confiem em seus estadistas e também não confiem no seu poderio militar! Não confiem nos sacrifícios, no sacerdócio nem na lei, mas agarrem o melhor, o maior, isto é, a graça em Cristo Jesus”.

Brademos a todas as pessoas: “Não confie em você mesmo, não confie na sua habilidade nem na sua força, não confie em pessoas, nem em Maria ou algum protetor ou santo, nem no seu pastor ou bispo, nem na sua instituição ou organização. Não confie na política, na economia ou na ciência. Não confie em seu guru nem em sua religião. Não! Olhe antes para a cruz, pois: Jesus é maior!”

...de glória e de honra o coroaste e o constituíste sobre as obras das tuas mãos. Todas as coisas sujeitaste debaixo dos seus pés. Ora, desde que lhe sujeitou todas as coisas, nada deixou fora do seu domínio...” (Hb 2.7-8).

• Em Jesus temos uma esperança melhor (Hb 7.19).

• Por meio de Jesus possuímos uma aliança melhor e, com ela, melhores promessas (Hb 7.22; Hb 8.6).

• Temos um sacrifício melhor; na verdade, um sacrifício perfeito, não de animais, mas do Cordeiro vicário Jesus Cristo, que se deu voluntariamente e de uma vez por todas em nosso lugar (Hb 9.23-28).

• Temos um patrimônio superior (Hb 10.34).

• E, por fim: temos uma ressurreição melhor; nada de voltar para um corpo mortal, como ensina o hinduísmo, mas uma ressurreição com um corpo glorificado espiritual e imortal (Fp 3.20-21; 1 Jo 3.2-3).

Vamos resumir: Jesus é maior! É justamente esse fato que a Bíblia, a infalível e viva Palavra de Deus, pretende nos apresentar. É justamente o que o autor da Carta aos Hebreus – inspirado por Deus – apresentou aos judeus, a fim de encorajá-los e exortá-los a permanecerem firmes nessa Palavra.

É tolo quem desiste e abandona o Melhor, Maior e Perfeito. Consideremos o que diz Provérbios 3.5-7: “Confia no Senhor de todo o teu coração e não te estribes no teu próprio entendimento. Reconhece-o em todos os teus caminhos, e ele endireitará as tuas veredas. Não sejas sábio aos teus próprios olhos; teme ao Senhor e aparta-te do mal!”.

O que permanece é a constatação: Jesus é maior! (Thomas Lieth -http://www.chamada.com.br)

As opiniões expressas nos artigos assinados são de responsabilidade dos seus autores.

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança