Congresso Profético

O Que os Cristãos Anti-Sionistas Ensinam

Bruce Scott

O anti-sionismo cristão está ganhando força tanto nos EUA quanto em outros países. Seus ensinamentos põem o mundo contra Israel como o Povo Escolhido de Deus, consideram Israel como o agressor e não como a vítima, e negam a promessa de Deus de dar ao povo judeu a terra de Israel como “possessão perpétua” (Gn 17.8; Gn 48.4). Aqui estão alguns dos proponentes mais conhecidos e influentes do anti-sionismo cristão, e o que eles dizem:

• Stephen Sizer – Vigário da Igreja de Cristo, Surrey, Reino Unido:

“Não há evidências de que (...) o povo judeu tivesse o direito divino à Terra em Perpetuidade, ou que a posse da Terra pelos judeus seria um aspecto importante, quanto mais central, dos propósitos de Deus para o mundo”.[1]

• Gary Burge – Professor do Novo Testamento no Wheaton College, Wheaton, Illinois/EUA:

“A propriedade da terra não é uma questão cristã”.[2]

Burge tem escrito extensivamente sobre o que ele denomina a obsolescência das “teologias territoriais”.

• Tony Campolo – Palestrante, autor, sociólogo e professor emérito de sociologia da Eastern University na Pennsylvania:

“As ameaças mais sérias para o bem-estar dos palestinos em geral, e dos cristãos palestinos em particular, vêm, não dos judeus, mas dos sionistas cristãos nos Estados Unidos”.[3]

• Lynne Hybels – Autora, ativista e esposa de Bill Hybels, pastor-sênior da Willow Creek Community Church, South Barrington, Illinois:

“Fiquei convencida de que, se Jesus estivesse aqui hoje, ele ficaria com aqueles que, sem violência, protestam contra a ocupação dos Territórios Palestinos, a extrema violência militar usada contra os palestinos, e o declínio econômico e a dor psicológica causada pela ocupação”.[4]

• John Piper – Ex-pastor da Bethlehem Baptist Church, em Minneapolis, Minnesota, e fundador de desiringGod.org:

“O Estado de Israel secular hoje não pode reivindicar um direito divino atual à Terra”.[5]

Recentemente, um mapa saiu nas manchetes porque omitiu Israel. A editora Scholastic, que o publicou, posteriormente pediu desculpas.

Algumas instituições cristãs anti-sionistas conhecidas, ruidosas, incluem o Seminário Teológico Knox, em Fort Lauderdale, Flórida, fundado em 1989 pelo Dr. James Kennedy; a Assembléia Geral da Igreja da Escócia; o Bethlehem Bible College [Faculdade Bíblica de Belém], em Belém, Israel, fundada em 1979, a qual, em 2007, abriu um campus no Norte de Israel, chamado Galilee Bible College e agora planeja expandir-se em Gaza; o Sabeel – Centro Ecumênico de Teologia da Libertação, em Jerusalém, Israel, fundado em 1989 pelo sacerdote anglicano palestino Naim Ateek.

Aqui seguem outras três declarações:

• Seminário Teológico Knox:

“O direito de qualquer grupo étnico ou religioso ao território denominado “A Terra Santa” no Oriente Médio não tem nenhum apoio nas Escrituras”.[6]

Esta declaração estava contida em uma carta aberta postada no site do Seminário Teológico Knox, em 2002, e assinada por mais de 150 educadores, pastores, líderes de igreja e figuras públicas, inclusive R.C. Sproul.

• Bethlehem Bible College:

“Qualquer reivindicação exclusiva à terra da Bíblia em nome de Deus não está alinhada com o ensinamento das Escrituras”.[7]

• Cristãos Palestinos

“Nós, cristãos palestinos, declaramos que a ocupação militar de nossa terra [por Israel] é um sinal contra Deus e a humanidade e que qualquer teologia que legitima a ocupação está longe dos ensinamentos cristãos”.[8]

A declaração estava contida no Documento Kairós Palestina, de 2009, escrito por cristãos palestinos.

Contrariamente ao que esses homens e instituições ensinam, mais de 130 versículos na Bíblia reiteram a verdade de que a terra de Israel foi divinamente dada ao povo judeu. Não há um único versículo nas Escrituras que declare que Deus revogou a promessa que Ele fez a Abraão em Gênesis 17.8. (Como amostragem, ver Dt 4.40; Sl 105.8-11; Jr 23.7-8; Ez 28.25-26; Ez 34.13; Ez 36.24; Ez 37.1-14,21; Ez 39.28; Ez 47.21; Am 9.15; At 7.5.) (Bruce Scott – Israel My Glory –http://www.chamada.com.br)

Bruce Scott é diretor dos Ministérios de Campo de The Friends of Israel.

Notas:

  1. Stephen Sizer, Zion’s Christian Soldiers? [Soldados Cristãos de Sião?] (Downers Grove, IL: InterVarsity Press, 2008), 20.
  2. Gary M. Burge, Jesus and the Land [Jesus e a Terra] (Grand Rapids, MI: Baker Academic, 2010), 127.
  3. Tony Campolo, “Christian Zionism: Theology that Legitimates Oppression” [Sionismo Cristão: A Teologia que Legitima a Opressão], Sojourners, 19 de maio de 2010, www.tinyurl.com/CampoloCaZ.
  4. Lynne Hybels, “It’s All About Jesus: A Personal Journey” [É Tudo Sobre Jesus: Uma Jornada Pessoal], discurso proferido em 16 de maio de 2010 na Conferência “Christ at the Checkpoint”, Bethlehem Bible College, Belém, Israel, www.tinyurl.com/LHybelsCaZ.
  5. John Piper, “Israel, Palestine, and the Middle East” [Israel, Palestina e o Oriente Médio], DesiringGod.org, sermão, 7 de março de 2004, www.tinyurl.com/PiperIsrael.
  6. “An Open Letter to Evangelicals and Other Interested Parties: The People of God, the Land of Israel, and the Impartiality of the Gospel” [Carta Aberta aos Evangélicos e Outras Partes Interessadas: O Povo de Deus, a Terra de Israel e a Imparcialidade do Evangelho], 2002, Artigo 9. A Carta Aberta já não está mais disponível no site do Seminário Knox. Ela pode ser lida em www.bible-researcher.com/openletter.html, que lista apenas 26 dos signatários. Uma resposta do Dr. Mike Stallard pode ser lida no site do Centro de Pesquisas Pré-Tribulacionistas em www.tinyurl.com/KnoxResponse].
  7. “The Christ at the Checkpoint Manifesto” [O Manifesto Cristo no Posto de Controle], 2012, www.tinyurl.com/CheckpointManifesto.
  8. “A moment of truth: A word of faith, hope, and love from the heart of Palestinian suffering” [Um momento da verdade: Uma palavra de fé, esperança e amor do coração dos palestinos sofredores], Kairos Palestine, 15 de dezembro de 2009, www.kairospalestine.ps/sites/default/Documents/English.pdf.
Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança