A televisão divina

Contudo, vemos Jesus... coroado ‘de glória e honra’” (Hebreus 2.9 – NVT).

Ainda estamos lembrados? A época do Natal – comércio muito animado. Cordas luminosas enfeitam as ruas tristonhas e, de uma hora para a outra, espalham o clima natalino pela cidade e pelo país.

No entanto, seja sincero: nada perde tão rapidamente o seu valor e atenção como os enfeites de Natal. Mal passaram os feriados, até mesmo a joia mais sofisticada torna-se um mero objeto empoeirado. E então? Finanças saqueadas, o humor alterado, os corações vazios. Do “feliz Natal!” restou apenas pouca coisa.

Constantemente fico muito triste em observar que o Diabo consegue ofuscar os olhos das pessoas para que, de maneira nenhuma, Jesus Cristo, que é o verdadeiro presente de Deus, alcance o coração delas. Elas são soterradas com milhares de coisas irrelevantes. Não, não é Natal sem o peru da ceia, saladas e pratos artisticamente elaborados, drinques sofisticados e guloseimas. Após esse estresse festivo, muitos estão realmente até os joelhos com embalagens rasgadas de presentes natalinos. Ouvidos zunindo, olhos brilhantes – e com gratidão fingida. Na verdade, temos de tudo que queremos.

Seguem os costumeiros discursos no rádio ou na TV! Tão insignificantes, vazios e ocos! Sermões barrocos especialmente preparados que não levam coração algum a se encantar. No entanto, o que Deus na verdade fez foi abrir o céu e nos enviar o seu Salvador. E já que o calendário eclesiástico organizou isso dessa maneira, o Natal é comemorado uma vez ao ano, na data determinada. Depois se aguarda a festa de Ano Novo, depois o Carnaval, depois a Páscoa. Planeja-se a folga para o feriado do Pentecostes. De passagem, ainda se registra o feriado da Ascenção, o qual, na Europa, hoje é chamado de Dia dos Pais. Em seguida, se planeja as tão esperadas férias! Novamente se organiza as fotos da viagem do ano anterior. Com algum saudosismo, se constata: ah, como foi bom! Subitamente, no dormitório desse mundo, soa retumbante o tambor do apóstolo Paulo que deveria nos arrancar do mundo dos sonhos. Como um alpinista que alcançou o pico mais elevado da geleira, ele agita a bandeira da vitória e, bradando sobre o escuro vale dos sofrimentos, diz: “Contudo, vemos Jesus...”.

E o que você vê? Apenas decepções, dor, fracasso, esforços inúteis? Para onde você dirige o olhar? O que você carrega em seu coração? O que faz soar as cordas da sua alma? Por que você executa canções melancólicas em seu trompete enquanto as fanfarras alegres do céu tocam a pleno volume: “Contudo, vemos Jesus... coroado ‘de glória e honra’”?

Deus abriu o céu e nos enviou o seu Salvador.

Não, o nosso Salvador não está mais num berço de palhas. Ele não continua sendo o bebê indefeso da manjedoura. Ele não está mais sangrando, pendurado na cruz. Ele ressuscitou e está sentado à direita de Deus e aguarda até que seus inimigos estejam colocados como estrado sob seus pés.

Ele não é mais o Filho de Deus que foi cuspido, não mais o desprezado e crucificado no madeiro da maldição. Nosso olhar vai além da dimensão terrena e vê a realidade de Deus: “Contudo, vemos Jesus... coroado ‘de glória e honra’”!

Enquanto todos ficam olhando para o pavor final do mundo como se fossem coelhos hipnotizados, nós dirigimos o olhar ao nosso Senhor. Somente assim seremos envolvidos pela glória do Cristo ressurreto. Somente então nosso coração será cativado por seu amor. Somente então sentiremos sua presença, sua maravilhosa salvação e atuação. Não permita que a vitória de um filho de Deus seja arrancada de suas mãos pelo inimigo!

Por que você se esconde, como se fosse um coelho amedrontado, na toca da sua incapacidade? Por que você fica constantemente remoendo o seu passado, que você não consegue alterar de qualquer maneira? Por que o peso dos problemas se torna tão forte que consegue abafar toda alegria em você? Por que você se preocupa com aquilo que poderia acontecer ao invés de se ocupar com aquilo que de fato existe?

Por isso, agarre firmemente essa afirmação, como se fosse um valioso tesouro. Para muitos filhos de Deus, a imundície de milhares de pequenas preocupações sujou o seu para-brisa de tal maneira que não conseguem enxergar o Senhor Jesus claramente. Assim, fique atento ao seu limpador de para-brisa interno! No poço de Deus há uma imensa quantidade da água da graça.

Assim, peça que o Senhor Jesus novamente conceda a você a visão da fé! Não olhe para as ondas das circunstâncias, mas para o seu maravilhoso Salvador! Não permita ser regido pelo compasso dos seus medos!

Somente se você olhar para a face do seu Salvador a sua alma poderá alcançar tranquilidade e paz.

Somente se você olhar para a face do seu Salvador a sua alma poderá alcançar tranquilidade e paz. Assim, traga a sua alma assustada para a calma. Tome-a pela mão e lhe apresente a glória de seu Redentor. Fale a ela sobre a realidade divina. A seguir, lembre-a da oração do Senhor Jesus: “Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estou e vejam a minha glória, a glória que me deste” (João 17.24). Dessa maneira, os dias da sua vida se tornarão uma experiência totalmente nova.

Somente poderemos assistir à televisão divina se tivermos ligado no canal correto. — Manfred Paul

Manfred Paul é autor de muitos livros, folhetos e brochuras que foram distribuídos em mais de 30 países, encorajando milhões de pessoas. Casado há mais de 50 anos, tem 3 filhos e 10 netos. Foi Diretor e encarregado das missões da organização internacional Janz Team (agora TeachBeyond), em Lörrach, Alemanha. Por 24 anos foi evangelista e líder espiritual da missão Werner Heukelbach, onde pregou na Alemanha e no exterior. Também participou de transmissões de rádio em diversos países, como Alemanha, Rússia e Equador. Aos 76 anos, ele não pensa na bem merecida aposentadoria. Toda a sua vida está a serviço do Senhor Jesus Cristo.

Veja artigos do autor

Fale ConoscoQuem SomosTermos de usoPrivacidade e Segurança